São Paulo,  
Busca:   

 

 

Terror//Insurgência

 

TERROR: nova suspeita sobre bomba em ônibus londrino.

Por IBGF/Jornal do Terra





A tragédia londrina de quinta feira confirma a regra de que nenhum Estado está em condições de proteger constantemente os seus cidadãos, ainda que seja um país potente como os que integram o G-8.

Nos grandes centros urbanos, os Estados não conseguem manter o inimigo à distância, como recomendam os manuais antiterror, a título de prevenção.

Bomba deixada no segundo piso do ônibus londrino.


A nova matriz terrorista wahabista, idealizada pela Al-Qaeda, mistura ao terror os componentes do horror e do pavor coletivos.

Isso implica em ações espetaculares, para se atingir sempre o coração das cidades. Mais ainda, procura-se difundir o medo e não deixar ninguém se sentir seguro, em nenhum lugar que esteja.

Já ficaram para trás os ataques por meio de explosões de automóveis estacionados próximos aos prédios públicos. Era fácil prevenir, proibindo o estacionamento.

No 11 de setembro, os ataques vieram pelos céus de Nova Iorque e de Washington. Em Madri, outra surpresa. As bombas explodiram nos subterrânos, ou seja, no metrô.

Em Londres, os alvos também foram os comboios do metrô subterrâneo. A exceção representou a explosão, com 13 mortos, no andar superior dos tradicionais ônibus londrinos.

A respeito dessa explosão, a polícia britânica não descarta o aparecimento de algum tipo de dificuldade: as bombas são preparadas com horário determinado, "timer" certo, para a explosão. E isso poderia ter levado a substituição de um vagão do metropolitano pelo segundo andar do ônibus.

O fanatismo religioso e a paranóia que dominam toda a organização terrorista do tipo fundamentalista conduzem à busca de instrumentos novos, capazes de difundir o medo pelo planeta.

Portanto, a grande preocupação das forças de ordem e dos serviços de inteligência está no possível acesso do terrorismo internacional wahabista às armas químicas, biológicas e nucleares. Por exemplo, apenas um grama de toxina botulina é suficiente para matar 200 mil pessoas, ou seja, uma cidade de porte médio. Outro exemplo: por dutos de aparelho de ar-condicionado podem ser espalhados varíola viral, encefalite, peste, etc.

As explosões não puderam ser evitadas, mas a assistência à população foi impecável.


Não se deve esquecer que o bacilo de antraz circulou pelos EUA dentro de envelopes enviados pelo correio, logo depois dos ataques de 11 de setembro.

Para os adeptos da Al-Qaeda não existem pessoas inocentes. Não têm escrúpulos com crianças e idosos. Todos são vistos como infiéis, a merecer a morte.

Os neowahabistas de Bin Laden são todos paranóicos. Sentem-se perseguidos por uma gigantesca força do mal, ou seja, pela "cultura ocidental".


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet