São Paulo,  
Busca:   

 

 

Drogas Ilícitas

 

VALE DROGA: ganhe um papelote de cocaína.

Por FOLHA ONLINE- Folha de S.Paulo

No Rio, traficantes dão, a cada dez porções de maconha ou cocaína, a 11ª de brinde.
Incontrolável, tráfico cria vale-droga.
ANDRÉ CARAMANTE.
ENVIADO ESPECIAL AO RIO
Com a concorrência cada vez mais acirrada, traficantes do Rio de Janeiro passaram a adotar, nos últimos meses, um esquema de venda de drogas com promoções semelhantes às de pizzarias: a cada dez papelotes de cocaína ou cigarros de maconha comprados diretamente na boca-de-fumo, ganha-se o 11º.

Essa espécie de brinde em troca da fidelidade do cliente foi implantada pela facção criminosa Comando Vermelho, o CV. Na hora da compra, o usuário recebe cupons -papéis carimbados que geralmente trazem a inscrição "CV", o nome do lugar onde a droga foi comprada, o tipo e o valor pago por ela. A promoção do vale-droga é, por enquanto, restrita às pessoas que são conhecidas dos traficantes.

A "promoção" não tem data para ocorrer -depende da disponibilidade das drogas nas bocas-de-fumo e do prazo dado pelos fornecedores para a sua quitação. E o esquema cresceu justamente no período em que o Exército ocupou as favelas após o roubo de 11 armas de um quartel. O armamento só foi devolvido após um acordo dos militares com criminosos líderes do CV.

O vale-droga, segundo traficantes de Manguinhos, Vigário Geral e do Complexo do Turano, na zona norte do Rio, é uma maneira de fazer o dinheiro girar rápido. Muitas vezes, grande quantidade de droga fica acumulada nos morros e os prazos para pagar os "matutos" (fornecedores, normalmente intermediários paulistas que fazem a negociação entre os produtores e os traficantes cariocas) estão apertados demais. Ao contrário do que se imagina, hoje, nos morros cariocas, o crack é muito negociado nas bocas-de-fumo.

A droga, assim como a maconha e a cocaína, é fornecida por traficantes de São Paulo. Mas o crack não entra na promoção da 11ª dose grátis. "Não dá para fazer isso porque esses caras [usuários de crack] são totalmente descontrolados. Iam causar problemas. Tentariam até falsificar cupons", diz um traficante do Turano.

"O que muita gente não consegue ver é que isso aqui [o tráfico] é uma empresa como outra qualquer, que busca lucro, "money", dinheiro. Não tem só monstro aqui, não. Isso é o ganha-pão de muita gente. Quem está aqui quer as mesmas coisas que as pessoas que trabalham nas grandes empresas, por isso sabemos como tratar nossos clientes", continua o mesmo "linha de frente" (chefe) do Turano, enquanto, ao seu lado, um garoto de 11 anos está desfalecido pelo uso do "loló" (droga à base de clorofórmio).

"As bocas que fazem a promoção são as que têm clientes mais fiéis. A troca acontece na base da confiança. Eu só compro lá no Turano, onde os meninos do movimento sabem que uso só maconha", diz um universitário, de 23 anos, que cursa jornalismo à noite na Estácio de Sá, localizada na base do Complexo do Turano.

É a mesma universidade onde, em 2003, Luciana Gonçalves de Novaes, então com 19 anos, ficou tetraplégica após tomar um tiro que teria sido disparado por um traficante do Turano. No início da madrugada da última quarta-feira, dia 22, traficantes de uma das cinco bocas-de-fumo do Complexo do Turano resolveram inovar na promoção: passaram a oferecer, junto com as porções de maconha, um pedaço de papel de seda -que é vendido legalmente para usuários de cigarro de palha. Cada folha, segundo o subgerente do tráfico no Turano, custa, em média, R$ 0,25. Foram compradas pelo próprio traficante para o seu uso pessoal.

"Daqui uns dias, vamos fornecer a maconha já em forma de baseado, enrolada na seda. Se bobear, até em maços, como é o cigarro", disse, sorrindo, o subgerente do tráfico no Turano.

A decisão de fornecer o papel de seda na trouxinha da maconha foi tomada após a namorada dele reclamar de que não era muito fácil obter um "papel de qualidade" para enrolar a droga.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet