São Paulo,  
Busca:   

 

 

Drogas Ilícitas

 

DROGAS: Cosa Nostra e Paramilitares colombianos da AUC unem-se para traficar cocaína.

Por IBGF/WFM

O procurador antimáfia italiano, Piero Grasso, acaba de desembarcar em Bogotá, a convite da procuradoria geral da Justiça da Colômbia.

Piero Grasso, procurador antimáfia


Grasso irá receber informações sobre as conexões entre os paramilitares da AUC (Autodefesas Unidas de Colombia) e a Cosa Nostra siciliana.

Os paramilitares da ultra direiora colombiana combatem as FARC (Forças Armadas Revolucinarias de Colômbia) e o ELN (Exército de Libertação nacional), ambas organizações insurgentes de esquerda.

O líder dos paramilitares (na sucessão aberta por Carlos Castaño, que despareceu e se finge de morto para pressão norte-americana, que o que extraditado por narcotráfico) é Salvatore Mancuso, italiano de nascimento e colombiano por naturalização.

As AUC promovem o tráfico de cocaína para financiar as suas ações contra a guerrilha de esquerda. São simpáticas ao presidente Uribe, ao exército colombiano e a agência norte-americanas antidrogas (DEA).

Para à procuradoria colombiana, estabeleceu-se uma conexão entre a Cosa Nostra (máfia siciliana) e os paramilitares da AUC para implementar ainda mais o tráfico de cocaína para a Europa.

Alertou o procurador Grasso que a aliança entre Máfia e Paramilitares da AUC é apenas para o tráfico ilegal de cocaína, ou seja, a Máfia não está envolvida com a contra-insurgência na Colômbia.

Para Grasso, "O primeiro passo para aprofundar a cooperação entre Itália e Colômbia, no que toca ao narcotráfico, será a identificação dos italianos que operam na Colômbia e os colombianos com atuação na Itália."
Salvatore Mancuso, líder dos paramilitares das AUC.


Em Bogotá, Grasso sugeriu à Colômbia o aumento das penas para os crimes conexos ao tráfico de drogas e não conceder benefícios carcerários aos membros e afiliados aos Cartéis das drogas. Em outras palavras, sugeriu o regime penitenbciário italiano, conhecido por "cárcere duro" e audiências por videoconferência para evitar as deslocações e comunicações entre membros da delinqüência organizada.

Desde 2005, quando esteve na Colômbia o antigo procurador antyimáfia Pierluigi Vigna, a Itália e a Colômbia trocam informações com relação ao narcotr´pafico, crime organizado e corrupção de autoridades.

A Itália também troca informações com a Bolívoia, Equador e Peru.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet