São Paulo,  
Busca:   

 

 

Drogas Ilícitas

 

DROGA: Cartão Vemelho. Como Chavez, Evo Morales dispesa agências como a DEA (Drug Enforcemente Administration).

Por IBGF/WFM

OLHO

Morales e o colar de flores dado pelos índios aymaras.


Como havia anunciado ao vencer as eleições na Bolívia, Evo Morales começa a dispensar a "cooperação" da agências norte-americanas antidrogas (DEA).
A DEA espalhou-se pelo planeta em face da política norte-americana chamada de "Guerra às Drogas". Por espionagem política, a DEA foi expulsa da Venezuela. (veja matéria no nosso site IBGF)
Muitos dos seus ex-agentes são acusados de ligações com os "cartéis de traficantes" e participação em massacres por grupos paramilitares na América Latina.
O governo Bush, em face da eleição de Morales e da indefinição quanto ao futuro presidente do Peru, cortou U$13,2 milhões do Fundo ajuda asntidrogas à Bolívia e ao Peru
MATÉRIA

Como já se esperava, o presidente da Bolívia e do sindicato dos cocaleiros do Chapare (vide matéria no nosso site IBGF), Evo Morales, anunciou o início de conversações com os Estados Unidos para tirar da Bolívia as roltuladas agências antidrogas. Dentre os dispensados estão os agentes da DEA, a agência que se proclama antidrogas e que já cansou de demonstrar ter outras funcões na América Latina.

Atuam na Bolívia e serão dispensadas: 1)DEA-Drug Enforcemente Agency.
2)PDA- Programa de Desenvolvimento de Cultivos Alternativos, com estrutura e herança do falido Plano Dignidade do ex-presidente Hugo Banzer e do candidato à presidência (Quiroga) derrotado por Morales.
3)CHF- agência de cooperação Comunidade- Habitation e Finaças. 4)NAS- agência de apoio à prevenção e repressão às drogas.
símbolo da DEA.


A War on Drugs (Guerra às Drogas) nada mais é do que uma roupagem enganosa, --aperfeiçoada pelo ex-presidente Ronald Reagen no tempo da chamada Guerra Fria--, para intromissões e defesa de interesses estratégicos e econômicos dos EUA.

A DEA é um órgão trapalhão e de cooptação, como já ficou demonstrado no Brasil, Venezuela, Colômbia e Bolívia. No Brasil, já forneceu dinheiro para aluguel de casas onde funcionavam, sem autorização judicial, centros de "grampos" telefônicos.

Segundo noticiado hoje (16 de feveriro de 2006) por Alex Contreras,- porta-voz do presidente da república Evo Morales, começam na próxima semana com o governo Bush (20 de fevereiro) os "colóquios" para a saída da DEA e de outras agências norte-americanas da Bolívia.

É bom recordar, ainda, que Morales está tirando o Exército boliviano das funções de poçíca antidrogas. Como até as folhas de coca sabem, os oficiais bolivianos, na área de drogas, foram cooptados e obedeciam aos norte-americanos.

Para Contreras, -que procurou palavras adequadas e usou de diplomacia, " Completou-se o ciclo da presença da DEA na Bolívia".

Morales e Chavez.


A decisão de Morales vem logo depois da sua re-eleição para continuar a frente do Sindicato dos Cocaleiros do Chapare. Os cocaleiros passaram a força Morales a expulsar a DEA. Sobre isso, o porta-voz Contreras ressaltou- "Digna do maior respeito a proposta, --que chegou ontem a noite (15/2/2206)---, do Congresso dos cultivadores de coca da província de Cochabamba (onde fica o Chapare) de cassar as autorizações para atuação das agência norte-americanas na Bolívia".


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet