São Paulo,  
Busca:   

 

 

Drogas Ilícitas

 

CUBA: RAUL CASTRO, irmão de FIDEL, acusado de ligações com PABLO ESCOBAR.

OLHO, em 16/5/2005

Membro do Cartel de Medellín, John Jairo Velasquez- apelidado POPYE, resolve falar à Televisão espanhola, numa entrevista dada no presídio colombiano de Combit. Acusou Raul Castro de ligações com Pablo Escobar. Falou da farsa da execução, no Paredon, do general Ochoa.

MATÉRIA:16/5/2005-

Os irmãos Fidel e Raul.


Pablo Escobar Gavíria, apelidado de El Patron- fundador e gestor do Cartel de Medellín, foi morto, no bairro Los Olivos de Medellín.

Acabou cercado, na tarde de 2 de dezembro de 1993, por agentes da agência norte-americana antidrogas e do Bloco Búsqueda (18 homens selecionados do exército e da polícia. Treinado pelos norte-americanos).

Pela cabeça de Escobar, o governo norte-americano oferecia US$6 milhões.

No domingo (15 de maio de 2005), a televisão espanhola colocou no ar uma gravação de John Jairo Velasquez, apelidado Popye, apresentado como braço do direito, em vida, de Pablo Escobar.

Declarou Velasquez que Raul Castro, irmão de Fidel castro, mantinha contato direto com narcotraficantes colombianos, nos anos 80.

Velaequez encontra-se preso na Colômbia, no famoso presídio de Combit e lá deu a entrevista à TV Espanhola.

Popey acusou Raul castro de envolvimento com o tráfico de drogas ilícitas colombianas. Com relação a Fidel castro, aliviou: "não sabíamos se Fidel tinha conhecimento dessa atuação do irmão Raul.

Fidel e o irmão mais novo Raul, que será o seu sucessor.


Contou, também, que a droga era embarcada na Colômbia e chegava a Cuba por aviões (não fez menção ao Expresso da Cocaína, mantido por Escobar).

O próprio Escobar teria contado a Popey sobre os estreitos contatos com os cubanos e, em especial, com Raul castro.

Destacou que a prova das ligações da cúpula cubano com o narcotráfico colombiano foi o fuzilamento, no Paredon, do general Arnaldo Ocho, em 1989. FIdel mandou sua Justiça exceutar Ochoa por traição e narcotráfico internacional. E o fato ocorrido com o general Ochoa foi dado pelo governo cubano como isolado

Segundo Popye, "Havana apresentou o sucedido como um caso isolado nas Forças Armadas, se bem que era o capitão Jorge Martinez quem viajava para Medellín para acertar o tráfico, via Cuba."

De tempos em tempos, Popeye consegue dar uma entrevista bombástica, para tentar demonstrar colaboração com a Justiça, arrependimento, e, com isso, redução das penas. Ele está condenado a 20 anos de reclusão, por tráfico internacional de cocaína. Antes das declarações à Tv Espanhola, Popye já havia acusado o ex-ministro da Justiça Alberto Santofimio, já candidato à presidência da república colombiana. Popye afirmou que testemunhou Santofimio pedindo a Escobar a eliminação de Luis Carlos Galan, candidato igualmente à presidência, crime de homicídio que se consumou, efetivamente, em 18 de agosto de 1989

Em 30 de abril de 1984, Escobar tinha mandado matar o ministro Rodrigo Lara Bonilla, executado a tiros em 30 de abril de 1984.

Confira matéria Cuba Connetion: novo ataque a Fidel e seu irmão Raúl, de 9 de agosto de 2005

http://www.ibgf.org.br/index.php?data[id_secao]=2&data[id_materia]=566


© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet