São Paulo,  
Busca:   

 

 

Drogas Ilícitas

 

DROGAS: Barraco entre Evo Morales e o embaixador dos EUA.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch





OLHO.

Provocação de Morales: "Peço que os EUA reduzam o consumo de cocaína"

A provocação de Morales ocorreu depois de o embaixador dos EUA na Bolívia, Philips Goldberg, ter pedido ao governo Morales para erradicar as áreas de plantio de coca excedentes ao permitido em lei e que se encontram na região do Chapare ( trópico de Cochabamba), no Yungas de La Paz e em zonas agrícolas do oeste andino-boliviano.

Para o governo dos EUA, Morales não cumpre a promessa que, ao tomar posse na presidência da Bolívia, chamou de "Cocaína Zero e Tráfico Zero".

O governo Bush deu a Morales o prazo de 6 meses para resolver o problema do aumento da oferta de folha de coca.

Caso Morales não resolva, haverá cassação da certificação dada pelo governo EUA.

Com a cassação da certificação, a lei norte-americana proibe investimentos e ajuda governamental à Bolívia.O auxílio dos EUA gira em torno de 100 milhões de dólares

. Na foto, Morales exibe às Nações Unidas uma folha de coca e pede a mudança das velhas e superadas Convenções da ONU.

..........
MATÉRIA.

Para o governo norte-americano, desde a posse de Morales (preside a Bolívia e preside o Sindicato dos Cocaleiros do Chapare), as áreas de plantio de coca cresceram e já há um excedente de cerca de 8 mil hectares.



Com Morales, o plantio de coca no Chapare (área ilegal de cultivo segundo a lei, mas nunca respeitada) passou a ser feito por famílias que antes não cultivavam para uso tradicional, preferindo as compras nos mercados.

Consoante o governo dos EUA, várisa famílias passaram a cultivar o seu "cato" (equivalente a 1.600 m2) e, muitas delas acabam repassando a produção de forma ilegal, que usa a folha de coca (matéria prima) na produção do cloridrado de cocaína. Os EUA alertaram, também, para o aumento do número de laboratórios clandestinos. A respeito, consulte nosso site IBGF.

O embaixador Goldberg cobra de Morales medidas para erradicar o excedente aos 12 mil hectares autorizados em lei ( a lei autoriza pois o uso da coca é milenar: como o tradicional consumo de café para os sulamericanos e europeus).

Com ironia e sem deixar de provocar, Morales observeou: " Se não desejam que exista coca em excesso devem os norte-americanos reduzir a demanda à cocaína. Senão, haverá sempre coca que se perde na ilegalidade, apesar de os cocaleiros, voluntariamente, se empenharem na redução do plantio"

IBGF, 11 de novembro de 2006.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet