São Paulo,  
Busca:   

 

 

Máfias/Dinheiro Sujo

 

JUSTIÇA E CIDADANIA. Caso dossiê sanguessugas. Poderia ser dada publicidade ao dinheiro fotografado?

Por IBGF-Instituto Brasileiro Giovanno Falcone




. OLHO

O jornalista Milton Jung e o presidente do Instituto Brasileiro Giovanni Falcone (IBGF), Wálter Fanganiello Maierovitch, conversam sobre Justiça e Cidadania na Rádio CBN, todas as terças e quintas, às 11 horas. CONFIRA a intervenção do presidente do IBGF no primeiro programa, em 03 de outubro de 2006.

. MATÉRIA

As fotografias da dinheirama continuam a preocupar o candidato Lula e os seus companheiros.

Como para o segundo turno qualquer ocorrência de campanha é considerada novidade, o Tribunal Superior Eleitoral poderá voltar à questão das 23 fotos da dinheirada suja, caso apresentada uma reclamação.

É bom lembrar, no entanto, um velho mas sempre atual princípio de direito. Qual seja: ninguém pode invocar a própria torpeza para se beneficiar. No caso, o benefício seria a divulgação das fotografias.

Por outro lado, é certo que as cédulas de dólares e de reais representam a prova irrefutável da existência de crimes, ou seja, o corpo de delito. Em outras palavras, a materialidade de vários crimes atentatórios à soberania popular.

jornalista MILTON JUNG.


Num estado democrático de direito, o corpo de delito não deve ser escondido do cidadão-eleitor, nem permanecer em autos sigilosos, sem publicidade. A publicidade da matéria,-- do corpo de delito deve ser a regra, em face do interesse público. E é em razão do interesse público que no nosso cotidiano assistimos as exibições, --pelas redes de televisão--, de imagens referentes às apreensões de maconha, de armas de grosso calibre, CDs.piratas, contrafações de roupas e acessórias de marcas famosas, etc.

No caso das fotos do dossiê dos sanguessugas, a investigação deve ser sigilosa apenas numa parte. Na parte referente aos suspeitos, aos cúmplices e às testemunhas e isso só até o fim da campanha. |Jamais deverá haver segredo, sigilo, com relação ao corpo do delito, ou melhor, “à dinheirada suja” transportada numa mala-latrina.

Para concluir, é constitucional e legal (de acordo com a lei eleitoral ordinária) a publicidade dada às fotografias, que representam a imagem do corpo de delito. E a publicidade serve como aviso geral aos eleitores, ou seja, fiquem atentos, com a luz amarela ligada.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet