São Paulo,  
Busca:   

 

 

Máfias/Dinheiro Sujo

 

MÃOS LIMPAS:Borrelli (foto), responsável pela Operação Mãos Limpas, vai apurar o escândalo no futebol italiano.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF,25 maio 2006.
Borrelli, na cerimônia de abertura do Ano Judiciário.


A Operação Mão Limpas teve início em MIlão (norte da Itália) e apurou a corrupção na vida política-partidária italiana. O pool de manni pulite (mãos-limpas) era chefiado pelo procurador Francesco Savério Borrelli e contava, dentre outros, com Antonio Di Pietro (hoje ministro no governo Romano Prodi).

Essa Operação Mãos Limpas não deve ser confundida com a Operação Antimáfia, nascida na Sicília (sul da Itália) com o juiz Rocco Chinici (morto pela Máfia) e prosseguida com os magistrados Antonio Caponetto, Giovanni Falcone e Paolo Borselli (os dois últimos assassinados pela Máfia) e Giancarlo Caselli (hoje em Torino).

O ex-primeiro ministro socialista Bettino Craxi, apanhado em casos de corrupção e Caixa 2 pela Operação Mãos Limpas, fugiu para a Tunísia (África) para evitar a cadeia. Ficou lá foragido, em suntuosa casa a beira do mar, até morrer.

O chefe do "pool" de magistrados do Ministério de Milão era Francesco Saverio Borrelli (foto), que se aposentou, em 2005, por completar 70 anos.

Agora, Borrelli foi contratado pela Federcalcio (equivalente à nossa CBF) para apurar o megaescândalo a envolver dirigentes, árbitros e jogadores.

...................................
.............................
CAMPEONATO de metirinha
Borelli vai começar a apurar a manipulação dos resultados dos jogos, apostas forjadas (o goleiro da seleção italiana, Buffon é um dos suspeitos), extorsões, corrupções etc.

No controle de todos os ilícitos estaria Luciano Moggi, um dos capos da Juventus (demitiu-se há poucos dias) e o seu filho, que dirigia uma empresa que cuidava dos contratos dos grandes jogadores que atuam na Itália.

Francesco Carraro, presidente da Federcalcio (Federação italiana de futebol), negou participação nos ilícitos. Apanhado numa escuta telefônica, resolveu se demitir e contratar advogados criminais.

Até o técnico da seleção italiana que disputará o mundial, Marcello Lipi, está entre os suspeitos.

Envolvidos nos escândalos, na Série A, estão Juventus, Lazio, Fiorentina, Udinese, Messina e Siena. Os da Série B são Avelino, Crotone e Arezzo.

Na Justiça, as apurações tramitam por seis diferentes Procuradorias (magistraturas do Ministério Público). Até o momento, estão sob suspeita 41 pessoas.

Os responsáveis pela designição de árbitros para os jogos, Pierluigi Pairetto e Luigi Bergamo, já caíram fora. Foram grampeados e falaram sobre terem recibo relógios de luxo depois de apitarem partidas da campeã Juventus.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet