São Paulo,  
Busca:   

 

 

Máfias/Dinheiro Sujo

 

OPERAÇÃO NAVALHA e os 15 anos da famosa Operação Mãos Limpas (Mani Pulite).

Por Wálter F Maierovitch/Rádio CBN/Justiça e Cidadania

.
22 de maio de 2007.



Toda a vez que a Polícia Federal faz operações importantes, como essa apelidada de Navalha, vem à lembrança a figura de Mario Chiesa, apelidado de Mariuolo (espertalhão).

Há 15 anos,-- e graças às suas delações, nasceu a famosa Operação Mãos Limpas. Só para lembrar, a Operação Mãos Limpas (Mani Pulite), comandada pelo “pool” de magistrados do Ministério Público de Milão (norte da Itália), comprovou a existência de relações criminosas e promiscuas. Isto de empresários com políticos, ministros, partidos políticos, funcionários e administradores públicos.

Como a torcida do Flamengo sabe, com a obtenção desses tipos de vantagens indevidas os políticos conquistam mais poder e os empresários mais negócios. E todos eles viram parasitas, a sugar o Estado.

Mario Chiesa, preso em fevereiro de 1992, permaneceu quase um mês em silêncio, no cárcere milanês. Aí, resolveu delatar e perante os magistrados do “pool Mani Puliti”, disparou: “ Todos roubamos assim” (Tutti rubiamo cosi). Chiesa referia-se às fraudes em licitações, aos superfaturamentos de obras públicas, aos financiamentos de campanhas políticas, etc.

Mario Chiesa, il "Mariuolo" (o Espertalhão).


Dos empresários envolvidos, alguns se suicidaram de vergonha, conforme cartas-confissões deixadas.

O ex-primeiro ministro Bettino Craxi fugiu para a Tunísia. E os partidos políticos acabaram extintos. Surgiram outras agremiações, com novas siglas, a presumir novos hábitos.

Num sistema legal diferente, Marcos Valério, Delúbio Soares, Sílvio Pereira, Zuleido Veras, “et caeterva” talvez delatariam, como o Mario Chiesa?

Na Operação Mãos Limpas, os envolvidos ficaram presos cautelarmente até o julgamento final do processo, com exceção do ex primeiro ministro que fugiu. Entendeu a Justiça italiana que as prisões cautelares eram necessárias.

Para a Justiça brasileira, com relação aos envolvidos na Operação Navalha da polícia federal, a prisão cautelar não parece necessária. E faz tempo que a Justiça conseguiu banalizar a prisão de natureza cautelar, reduzida a poucos dias ou horas.



Invocou-se até a Constituição do estado do Maranhão, que não permite a prisão preventiva do governador. Só que a Constituição Federal admite a prisão por ordem escrita e motivada do juiz. E a Constituição Federal está, hierarquicamente, acima da estadual, nocaso do Maranhão Diz a Constituição federal, também, que todos são iguais perante a lei, ou seja, até o governador do Maranhão.

O primeiro pool de magistrados da Operação Mãos Limpas (Mani Pulite).


Mais ainda, a ministra relatora do STJ, Eliana Calomon, declarou que, depois dos interrogatórios, todos serão soltos.

PANO RÁPIDO. No curso da Operação Mãos Limpas, ocorreu um espetáculo inesquecível de exercício de cidadania. Ao deixar o hotel onde ficava hospedado em Roma, o ex primeiro ministro Craxi encontrou centenas de pessoas que o aguardavam do lado de fora. E esses cidadãos, em silêncio, promoveram uma chuva de moedas.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet