São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Padrão Máfia e Padrão Fifa

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF, 20 de janeiro de 2013. Publicado no caderno Aliás, do jornal O Estado de S.Paulo






Certa vez e sobre o fenômeno representado pela criminalidade organizada transnacional, a pesquisadora escocesa Alison Jamieson sustentou que as máfias tinham trocado, fazia muito tempo, a metralhadora pelo mouse do computador.


Em outras palavras, nas internacionais criminosas de matriz mafiosa a ideologia dominante é a do lucro. E diante disso, as máfias passaram a privilegiar, --em vez dos crimes de sangue espetaculares--, o emprego de tecnologia de ponta, a infiltração nos órgãos de poder e corporações. Mais ainda – isto está no DNA mafioso –, tendem a submeter as instituições financeiras de maneira a que se tornem dependentes das movimentações financeiras das suas atividades ilegais.


Com efeito, na Convenção das Nações Unidas de 1988 contra o tráfico ilícito de drogas, concluiu-se que estava o crime organizado utilizando o sistema bancário-financeiro para lavar dinheiro e reciclar capitais em atividades formalmente ilícitas.


Por outro lado e na abertura da Convenção das ONU sobre crime organizado sem fronteiras, em dezembro de 2000 e na cidade italiana de Palermo, o então secretário-geral Kofi Annan advertiu sobre a forma de atuar do crime organizado, ou seja, de maneira reticular e isso estava a gerar lucro a crescer 40% ao ano. Para o ex-czar antidrogas da ONU, Antonio Maria Costa, na crise econômica norte-americana, o sistema interbancário de compensações não quebrou porque circulava o capital movimentado pela criminalidade organizada. E a supracitada Convenção de Palermo de 2000, --único instrumento jurídico internacional de contraste às associações criminosas transnacionais--, preconizou, além da cooperação internacional, a adoção de um tipo penal comum, minimalista e abrangente, a ponto de alcançar também associações de doleiros, lavadores de dinheiro sujo, traficantes, cambistas e quejandos.


Diante desse quadro criminal preocupante, com evasões e sonegações fiscais continuadas de permeio, não podem ser consideradas surpresas as recentes ações de cambistas a operar no Brasil redes criminosas transnacionais, empenhadas na venda de ingressos para os jogos da Copa da Fifa. Na disputa da África do Sul, ocorreu o mesmo e a Fifa, com seu secretário-geral Jérôme Valcke,-- agora no Brasil e sem corar num discurso do agrado apenas à criminalidade organizada--, sustentou a impossibilidade de se colocar um fim a esse sistema criminoso. Só que os cambistas associados criminosamente não contavam com a eficiência da Polícia Civil do Rio de Janeiro e o empenho do Ministério Público desse estado federado.


Pelo que se percebe, a Fifa terceirizou, para o mundial no Brasil, a venda de ingressos e a distribuição de “pacotes de hospitalidade” (jogo com mordomias). O terceiro comprometeu-se a vender pelo preço de face, mas, sem honrar o compromisso e sem construir um mecanismo eficaz de controle, os bilhetes viraram uma espécie de título ao portador, negociáveis por tradição: de mão em mão.


No caso de maior repercussão na mídia, a empresa terceirizada de razão Match Services, cujo sócio-proprietário afirmou prestar serviços à Fifa desde 1999, enviou ao Brasil o seu Chairman-CEO (Chief Executive Officer), Raymond Whelan. Por seu turno, Whelan teria revendido ingressos e pacotes de hospitalidade a um notório cambista internacional, o argelino Lamine Fofana. Segundo a polícia do Rio, Fofana, que ingressou no Brasil como turista e se apresenta como proprietário de uma empresa de nome Atlanta, ligou 900 vezes para um celular da Fifa e tentou subornar policiais que investigavam a sua organização criminosa.


Conforme as investigações – já existe uma ação judicial penal em curso promovida pelo Ministério Público –, Fofana operava uma rede abastecida de ingressos por Whelan. O tal Whelan e o seu cunhado, --também sócio-proprietário da terceirizada Match e que é sediada na Suíça--, negam as increpações e alertam que as vendas a Fofana foram por uns trocados acima do preço de face. Nada falaram sobre a divisão de lucros ilícitos, após a revenda pelo argelino.


A organização criminosa operada por Fofana restou desbaratada na operação policial Jules Rimet. A eventual coautoria Raymond-Fofana será objeto, no devido processo, de decisão judicial de mérito. Dados investigatórios recentes apontam para um esquema ilícito de revenda, no câmbio negro, de mais de mil ingressos por partida disputada na Copa. Pelos cálculos policiais, o ganho ilegal líquido teria, por baixo, alcançado 200 milhões de reais.


Pano rápido. Não dá para engolir a “cara de paisagem” do presidente da Fifa, como se a entidade não tivesse nenhuma responsabilidade no caso, quer por negligência, quer por conivência. Terceirizar, muitas vezes, é uma forma mafiosa de colocação de laranjas e posterior recebimento por fora. E a terceirização da Fifa é feita, como admitiu o secretário-geral Jérôme Valcke, com a ciência de que seria impossível evitar a revenda criminosa no câmbio negro. No particular, o padrão Fifa copia objetivamente, no quesito terceirizações, o padrão Máfia.
-WFM.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet