São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Continua o mistério sobre a venda da mansão do governador Perillo

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 5 de junho de 2012.

Quem comprou a mansão do governador?








Hoje foi ouvido pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) o empresário Wálter Paulo Santiago, dono de uma rede faculdades em Goiás e Tocantins.

O tema central do depoimento foi a compra por R$ 1,4 milhão, em um condomínio fechado, da mansão do governador de Goiás, Marconi Perillo. A mansão virou residência de Carlinhos Cachoeira. E nela Cachoeira acabou preso em 29 de fevereiro de 2011.

A suspeita é de que Wálter Paulo Santiago tenha sido usado como testa de ferro em transações para encobrir negócios, e talvez venda simulada, entre o governador Perillo e o notório delinquente Cachoeira.

Perante a CPMI, o empresário Santiago afirmou ter pago a casa à vista e entregue o dinheiro ao corretor Wladimir Garcez, vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Goiânia, e a Lúcio Fiúza, assessor do governador.

Documentalmente, a casa não foi adquirida por Santiago, mas pela empresa de razão social Mestra Administração, sem patrimônio, porém com caixa para uma aquisição de R$ 1,4 milhão. No instrumento aparece a assinatura do representante da Mestra, o sócio Écio Antônio Ribeiro.

Não bastasse isso, Santiago não aparece como sócio da empresa Mestra. Depois da prisão de Cachoeira, no entanto, arquivou-se um documento na Junta Comercial em que o nome de Santiago vem assinalado como presidente do conselho de administração da Mestra.

Versão diversa e anterior à de Santiago foi apresentada por Garcez na Polícia Federal. O referido Garcez, misto de corretor e de político, disse não haver atuado como corretor, mas adquirente da mansão do governador Perillo. Garcez sustentou ter pago a mansão, sempre no valor de R$ 1,4 milhão, com três cheques. E os cheques, frisou, foram entregues a Lúcio Fiúza, assessor de Perillo.

Garcez afirmou à Polícia Federal que conseguiu o valor de R$ 1,4 milhão por empréstimos de Carlinhos Cachoeira e Cláudio Abreu, então diretor da Delta Construtora. Ainda na polícia, Garcez sustentou que não teve como honrar os empréstimos e, então, negociou a casa com o empresário Santiago.

Pano rápido. O mistério continua, apesar do relato de Santiago na CPMI. O certo mesmo é que a mansão virou residência de Cachoeira.


© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet