São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Obama já capitaliza com eleição de Suu Kyi, Nobel da Paz

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF, 3 de abril de 2012.>




De Roma, para o Portal Terra



A Senhora das Guirlandas






Depois de exaustivamente repercutirem a vitória de Aung San Suu Kyi e do seu partido político (Liga Nacional para a Democracia) nas eleições parlamentares complementares em Myanmar (ex-Birmânia) ocorridas no domingo (1º), jornais europeus dedicam-se a especular sobre a volta à democracia, nas eleições gerais de 2015.


Não faltam, nessas especulações, comparações com (a) o fim do apartheid na África do Sul (1974); (b) a queda, a partir do plebiscito histórico de 1988, da ditadura golpista de Augusto Pinochet iniciada em 1973 e (c) até se compara com o fim do franquismo diante da morte do ditador espanhol em 1975. São lembradas, também, a queda do Muro de Berlim (1989) e as primeiras eleições livres na Polônia (1989), após a ditadura pró-soviética do general Jaruzelski. Lógico, não falta menção à perestroika gorbachioviana.


Todos, sem dúvida, torceram pela vitória da carinhosamente chamada “Senhora das Guirlandas" (tem sempre uma flor presa nos cabelos), de 66 anos de idade e mais de 15 anos de prisão domiciliar incomunicável. Filha do herói da independência Aung San, assassinado por golpistas militares, a Nobel da Paz de 1991 nunca quis sair do seu país. Abertura para isso não faltou e a Junta Militar ditatorial acenou com o exílio.


Algo tentador para ela que vivia incomunicável em prisão domiciliar, era formada por Oxford e foi constantemente proibida de sair temporariamente da Birmânia (só definitivamente, em exílio admitiam os militares). Convém recordar que Suu Kyi não pode deixar o país para acompanhar os funerais do marido britânico Michael Aris nem para receber o Prêmio Nobel.


Na segunda-feira (2), Suu Kyi, que prega a não violência e a democracia, soltou frases estudadas. E até desfilou em carro aberto: “Nós esperamos que essa vitória seja o início de uma nova era de modo que o povo seja colocado no centro da política”. “Vamos criar uma atmosfera genuinamente democrática no nosso país e que outros partidos políticos nos ajudem para isso”.


Apenas 45 cadeiras parlamentares foram abertas para preenchimento, num país onde existem parlamentares “biônicos”, nomeados pelos militares. Isso para lhes assegurar a maioria.


Desde 2010, com eleições fraudadas, os militares resolveram dar uma “maquiada” no regime. O chefão maior, general Thein Sein, foi para a reserva. Com isso, se diz que o país é presidido por um civil, vencedor da eleição de 2010 graças à fraude.


A propósito, o partido de Suu Kyi não concorreu às eleições de 2010 até porque era certa a fraude. Também para continuar a protestar pelas eleições de 1990, quando Suu Kyi deveria assumir a chefia do governo em razão de seu partido ter conquistado 392 das 485 cadeiras disputadas. À época, a Junta Militar impediu os vencedores das eleições de 1990 de assumirem os cargos.


A Birmânia vive sob ditadura militar desde 1962. O primeiro golpista, após a independência dos britânicos em 1946, foi o general Ne Win. Ele acabou derrubado por outro golpe militar em 1988. Até o nome do país foi mudado, pois os golpistas militares não são da etnia birmana, que representa mais de 59% da população. Para fugir à pressão popular, e das derivadas pelas pacíficas e silenciosas passeatas dos monges, os militares construíram uma nova capital administrativa.


Sobre mudanças, o atual presidente Thein Sein, que cobriu a filha de diamantes no casamento (o país possui reserva de diamantes controlada pelos militares), deu uma guinada que o Ocidente interpreta como mudança na geopolítica. Ele está se distanciado da China e até rescindiu um contrato milionário de construção, pelos chineses, de uma represa gigante em condições de abastecer uma hidrelétrica (no povoado miserável onde foi eleita Suu Kyi não existe luz elétrica, escolas nem postos de saúde). Por outro lado, o presidente Sein permitiu, em dezembro, que a secretária de Estado Hillary Clinton visitasse Suu Kyi.


Com a eleição de Kyi e a passagem de Hillary já se fala em levantamento do embargo norte-americano. Embargo causado não só pela ditadura, mas por Myanmar formar o chamado Triângulo do Ópio e ser o grande fornecedor de drogas sintéticas da Ásia. O maior traficante do mundo oriental, morto há poucos anos, era protegido pela Junta Militar.


Pano rápido. Toda essa euforia começou, desde segunda-feira (2), a ser desfrutada na campanha de Barack Obama. A vitória de Suu Kyi está, nos EUA, sendo considerada como uma vitória da nova diplomacia de Obama.


Agora | Máfias/Dinheiro Sujo | Drogas Ilícitas | Terror//Insurgência | Espiões/D.Humanos | Entrevistas | Colaborador- Carta Aberta. | Cultura | Imagens e Áudios | Eventos | Memória | Quem Somos | Contato | Textos dos Internautas
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet