São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Strauss-Kahn e fundos financeiros ocultos para pagar garotas de programa

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 22/2/2012
Mais um escândalo sexual



Ontem, Dominique Strauss-Kahn, ex-presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI) e já predileto dos socialistas para disputar a Presidência da França contra Nicolas Sarkozy, compareceu para ser interrogado no departamento de polícia da cidade de Lille, no norte da França.


Strauss-Kahn, “priapista juramentado e violento”, está de novo metido em outro escândalo sexual. Desta vez, no entanto, com um componente novo, a formação de um fundo financeiro oculto para manutenção e pagamento de uma rede internacional de prostituição: Paris, Lille, Washington, Madri, Viena e Gand (Bélgica).


A investigação foi batizada de Garotas de Programa do hotel Carlton. As festas e bacanais ocorriam em casas noturnas e nos hotéis da rede Carlton. As prostitutas eram pagas por um fundo financeiro ilegal operado por um empresário da construção civil, cujo nome ainda não foi revelado.


A organização das festas estava a cargo do belga conhecido por Dodo la Saumure, proprietário de saunas e casas de massagens para homens. Existe prova farta, inclusive fotográfica, da presença de Strauss-Kahn num bacanal em Paris. Ele estava acompanhado de Dodo la Saumure e do chefe de polícia da cidade de Lille.


Os advogados do ex-poderoso do FMI falam em mais uma tentativa de “linchamento moral” do cliente, numa alusão à prisão de Strauss-Kahn em Nova York sob acusação de ter estuprado a camareira do Sofitel Hotel. A propósito, o caso foi arquivado a pedido do procurador eleito Cyrus Vance Jr, até então respeitado por atuações em questões ambientais. De olho numa candidatura à prefeitura de Nova York, Vance Jr entendeu em não arriscar o seu prestígio e, sob alegação de insuficiência de prova, abdicou de enfrentar a equipe de advogados e de serviços de inteligência privada contratados a peso de ouro. Seguramente, perdeu prestígio entre os imigrantes negros e pobres, como a camareira.


Em Paris, Strauss-Kahn é acusado de estupro pela jornalista Tristane Banon. Aliás, fato anterior à camareira do Sofitel de Nova York. Nos próximos dias, o interrogatório policial de Strauss-Kahn em Lille será remetido a juízo e, de suspeito, o banqueiro pode virar réu. Tudo por coparticipação em fundos ilícitos para sustentação de uma rede internacional de prostituição voltada à exploração, desfrutamento e cooptação de poderosos e potentes.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet