São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Rússia. Vitória com sabor de derrota faz Putin mudar discurso

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 5 de dezembro de 2011.


Putin.



Vladimir Putin já sabia que o seu partido, --Rússia Unida--, não conseguiria, na eleição de renovação parcial da Câmara-baixa (Duma), repetir o bom desempenho de 2007, quando obteve 315 cadeiras e assistiu o rival Partido Comunista (KPRF) amargar a eleição de apenas 57 deputados.


Embora projetasse a perda de prestígio do partido Rússia Unida, o chamado czar Putin (desde maio de 2008 primeiro-ministro em face de composição com Dimitri Medevedev que Putin elegeu presidente da Federação Russa e assumiu o cargo presidencial em março de 2008) estava preocupado com 2014, quando concorrerá à presidência.


Uma grande derrocada da Rússia Unida poderia complicar os seus planos presidenciais de 2014, ou melhor, de mais 12 anos de poder: o mandato presidencial é de 6 anos, com possibilidade de uma única reeleição.


O eleitorado jovem,-- que pela primeira vez votou no domingo 4--, é hostil a Putin e fechava com o nacionalista Vladimir Zhirinovskij, do parito Liberal-democrata.


Hoje, Putin ficou aliviado ao saber que a derrota não foi tão dura como esperado. O partido Rússia Unida conseguiu eleger 237 deputados ( em 2007 elegeu 315).


O Partido Comunista (KPRF) logrou 94 cadeiras (em 2007 ficara em apenas 57) e o Liberal-democrata pulou de 40 em 2007 para 58.


O alívio de Putin deveu-se ao crescimento do partido Rússia Justa, com o qual mantém relações estreitas e sempre obteve apoio. O Rússia Justa passou na frente do Liberal Democrata (estava atrás em 2007) e firmou-se como terceira força eleitoral. O Rússia Justa conquistou 61 cadeiras ( em 2007 ficou com 38).


Nesse novo quadro, Putin muda o discurso e acaba de falar em modernizar o país e na diversificação da economia. Uma economia dependente da energia. Putin aposta as novas fichas no recém-ingresso do seu país na Organização Mundial do Comércio.


Para o presidente e aliado Medvedev, quando o preço do petróleo era de US$110 o barril, vencer eleição era mais fácil e Rússia Unida contava com 64,3% dos votos.


Pano Rápido. Putin sabe que o grande vencedor da eleição de ontem foi Gennadj Zyuganov, líder do KPRF (partido comunista) que quase dobrou o número de deputados (57 cadeiras em 2007 para 94 em 2011).


Zyuganov, apelidado de novo Lenin, continua a bater na tecla de que Putin é sustentado por uma rede de burocratas corruptos, de oligarcas fiéis desde a sua chegada ao poder, e de antigos companheiros da KGB, que são chamados pelos russos de “siloviki”.


Apesar da queda do Rússia Unida, haverá, com apoio da Rússia Justa, a acertada troca de cadeiras para a primavera de março. Putin voltará à presidência, com Medvedev como premier.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet