São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Berlusconi perdeu maioria mas pode ainda se manter no poder

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 09 de novembro de 2011.

As mil faces de Berlusconi


--1. Ontem, depois de constatar que perdeu a maioria na Câmara, o polêmico premier Sílvio Berlusconi, apesar de abatido e anunciar ter sido traído por 8 deputados com os quais mantinha relações há anos, não deixou de preocupar a oposição composta pelos partidos PD, Itália de Valores e UDC.



A frase de resistência foi proferida aos jornalistas: - “ Impensável dar responsabilidade de governo a quem perdeu as eleições”.



Em outras palavras, Berlusconi quer novas eleições, ou seja, que o presidente da República, Giorgio Napolitano, declare dissolvido o Parlamento e marque novas eleições legislativas.



As chances de Berlusconi, por seu partido (PDL) e a sua aliada Liga Nord ( ex-separista e hoje a prepagar o federalismo fiscal), vencer de novo as eleições não é absurda, infelizmente. É que Berlusconi aposta todas as fichas na falta de união da esquerda e centro-esquerda, como já ocorreu no governo do ex-premier Romano Prodi ( a divisão interna da esquerda derrubou esse premier).



Os italianos, em época de crise, temem os políticos e as lutas pessoais pelo poder. Um exemplo: o líder dos democratas, o equilibrado e preparado Pier Luigi Bersani, sofre a oposição interna por parte do jovem que governa de Florença e que tem desmedida ambição.



Segundo levantamento mostrado no programa Ballarò ( Raí-3, programa de debate político ancorado pelo excelente jornalista Giovanni Floris) a maioria dos italianos não confia em Berlusconi, mas, por outro lado, desconfia seja a esquerda capaz de se unir quando chega ao poder.



--2. Ontem, quando da aprovação das contas do governo, a esquerda e o centro esquerda ficaram fora da sala da sessão (aula della Camara): 321 deputados formam a oposição ao governo Berlusconi.



A maioria parlamentar implica em 324 votos.



Como se percebe, o centro esquerda e a esquerda não representam a maioria, pois detém 321 cadeiras na Câmara.



A surpresa de ontem deveu-se ao fato de Berlusconi ter contado apenas com 308 votos, ou seja, ele perdeu a maioria parlamentar. Faltaram 8 votos para Berlusconi manter a maioria de que dispunha antes.



--3. Quando o chefe de governo (premier) perde a maioria, a Constituição impõe o dever dele se apresentar ao chefe de Estado (presidente da República Giorgio Napolitano) e colocar o cargo à disposição.



Berlusconi, ontem mesmo, subiu ao Colle Quirinale ( colina onde fica o magnífico palácio da Presidência) e participou a Giorgio Napolitano que entregará o cargo logo após a votação, na próxima semana, da lei de estabilidade. Essa legislação é uma exigência da União Européia em face da crise econômica na zona do euro, em especial na Grécia e na Itália.



--4. Quando o primeiro-ministro perde a confiança na Câmara dos representantes do povo (deputados), o presidente da República tem de dar solução.



São vários os caminhos que o presidente Giorgio Napolitano poderá escolher:



--a) manter Berlusconi com a obrigação de escolha imediata de novos ministros: o premier preside o Conselho de Ministros do seu governo.



--b) determinar eleições imediatas dissolver o Parlamento.



--c) solicitar à Câmara que, por voto, confirme ou não a desconfiança no premier Berlusconi.



--d) nomear um governo técnico até o encerramento da legislatura.



--5) Pano Rápido. Aqueles que têm esfera de cristal afirmam que Napolitano irá optar pela formação de um governo técnico, com economistas afinados com os responsáveis pela solução da crise econômica européia.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet