São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Líbia. Guerra psicológica. Kadafi grava áudio e Líder isurgente garante que tudo terminará nesta quinta.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch/CARTA CAPITAL

IBGF, 25 de agosto de 2011.




Os 007 da Otan-Nato conseguem difundir, --pela boca dos insurgentes--, informações de grande impacto psicológico pela Líbia. A meta é obter deserções nas fileiras de Kadafi. Mais ainda, promover a fuga de mercenários contratados a peso de ouro pelo coronel tirano e conseguir a neutralidade, ou puxar para o lado dos insurgentes, as 140 tribos que se espalham pelo deserto e pelas antigas regiões da Tripolitânia e da Cirenaica.



Na guerra psicológica, os insurgentes avisam já saber onde está o ex-raís (chefe em árabe). Segundo a Sky News, o coronel estaria escondido no bairro de Abu Salim, que está sob pesado bombardeio da Otan-Nato.



Um dos líderes dos insurgentes e membro do Conselho Nacional de Transição, Muhammad Gomaa, fala que Kadafi e os seus filhos estão dentro de um buraco: - “Hoje, tudo estará acabado para eles”, disse Gomaa, que procura colocar o coronel líbio em situação igual à de Saddan Hussein, encontrado dentro de um buraco.



Das três principais tribos existentes na Líbia, apenas a de Kadafi, denominada Al-Qaddadfia, ainda lhe dá apoio. Bem sabem os seus líderes que sem Kadafi perderão facilidades e prestígios.



A tribo Al-Warfalla fechou logo no início com os rebeldes, enquanto a Al-Magariha permanece em cima do muro: à tribo Al-Magariha pertencia o terrorista que, a mando de Kadafi, promoveu o atentado contra o jato da Pan American, em dezembro de 1988, nos céus de Lockerbie (Escócia).



Informações mentirosas e difundidas por redes, como as das prisões dos filhos de Kadafi, provocaram, fora dos limites da Líbia, descrédito dos noticiários, pois são, quase sempre, baseados em fontes insurgentes.



Enquanto a revista francesa Paris Match, apoiadora de Nicolas Sarkozy, informa que Kadafi conseguiu fugir por pura sorte, --- e isto quando os rebeldes entraram em Trípoli e invadiram o palácio-símbolo da sua tirania (Bab al-Aziziyah)--, descobria-se que o ex-raís estava protegido a ponto de gravar uma entrevista ao canal televisivo Al Orouba.



No áudio divulgado, Kadafi clamou: “homens, tribos e mulheres, defendam Trípoli dos estrangeiros, dos colonialistas, da Itália, da França e da Inglaterra.”



Por outro lado, os quatro jornalistas italianos sequestrados na última terça-feira (23) por mercenários de Kadafi foram libertados por uma blitz. Essa blitz foi composta por insurgentes orientados por militares italianos que participam da missão nascida com a Portaria 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.



Os jornalistas (três homens e uma mulher) estavam numa casa particular em Trípoli, e os mercenários, que se apoderaram de todos os seus pertences (passaportes, computadores, etc), tentavam entregá-los às forças fiéis a Kadafi, para futuras negociações.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet