São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Noruega. Investigação caminha por responsabilizar terroristas contra Convenção e Schengen e imigrantes islâmicos

Por Wálter Fanganiello Maierovitch/CARTA CAPITAL

IBGF, 23 de julho de 2011.

.




A explosão no lugar considerado o coração político de Oslo e os disparos realizados contra os que participaram da marcha dos jovens integrantes do partido dos trabalhadores, -- na pequena ilha de Utoya (30 km da capital)--, estão correlacionados.



Inicialmente, suspeitou-se de terrorismo fundamentalista islâmico, como destacado no post de ontem do Sem Fronteiras. O motivo, --em face do revelado em carta de organização terrorista que assumiu a explosão no prédio onde instalados o gabinete do primeiro-ministro e o ministério do Petróleo--, decorreria do fato de a Noruega ter 500 militares à disposição das forças da Isaf-Nato no Afeganistão. A propósito, o secretário geral da Nato, Anders Rasmussen, chegou até a lembrar o artigo 5°. da constituição da Aliança Atlântica (Nato-Otan). O artigo diz que qualquer ataque a um estado-membro da Nato equivale a uma gressão a todos os membros da Aliança Atlântica.



Mas, os idealizadores das ações não são terroristas adeptos da chamada “jihad global”. Apenas planejaram muito bem os ataques e procuraram imitar o método alqaedista e recordar Mumbai. Ao que tudo indica são terroristas nacionalistas, contra imigrantes, em especial os islâmicos.



No momento, e com um suspeito preso ( norueguês loiro e de olhos azuis que realizava disparos com um fúzil metralhadora), tudo leva a crer tratar-se de uma represália ao governo do premier Jeans Stoltenberg que consolidou a Noruega como um estado social e de integração.



A Noruega não faz parte da União Européia. No entanto, aderiu, junto com outros não membros da comunidade européia ( Suiça e Islândia), à Convenção de Schengen, de 14 de junho de 1985 e aos acordos em vigor desde 1995, sobre a livre circulação de pessoas pelos estados firmatários.



Vale destacar que Noruega, Suíça e Islândia, adeririam aos acordos de Schengen, sem abrir mão de controle aduaneiro e de tributação do IVA (valor agregado).



Incomodados com imigrantes na Noruega, grupos genófobos partiram, --conforme se encaminha a conclusão da investigação--, dos protestos verbais para a violência, com promoção de atos terrorristas de matriz nacionalistas.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet