São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Drogas. Guatemala decreta estado de sítio em província dominada pelo cartel Los Zetas.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 20 de dezembro de 2010.


Cartel do Golf do Méxicoo e o seu braço armado Los Zetas




--1. Álvaro Colom Cabaleros, ---presidente da Guatemala desde janeiro de 2008 e sob odor de envolvimento no assassinato de um jornalista em maio de 2009---, acaba de baixar um decreto de emergência a fim de declarar estar a província (estado) de Alva Verapas sob regime constitucional de estado de sítio.



A província (estado) de Alva Verapas entrou em estado de sítio ontem.



A meta do governo é localizar e reprimir os narcotraficantes que integram o braço guatemalteco do cartel mexicano Los Zetas.



O cartel Los Zetas pode ser classificado como milícia paramilitar dedicada especialmente ao tráfico de drogas ilícitas para os EUA. A sua matriz é a mesma das milícias que atuam no Rio de Janeiro.



Segundo o presidente Álvaro Colom, os narcotraficantes estão “aterrorizando” os cidadãos da província.



Os paramilitares a serviço do cartel Los Zetas expulsam os camponeses e subtraem as suas terras para plantar coca e papoula (extração de ópio). Em muitas áreas são construías pistas para aterragem de aviões com cocaína proveniente da Colômbia.



Da Guatemala, os membros do Los Zetas encaminham a cocaína para o Golfo do México e para posterior ingresso nos EUA. O cartel de Tijuana também recebe cocaína e o ingresso é pela costa do Pacífico, em especial por San Diego (EUA).



O cartel mexicano Los Zetas está a recrutar ex-soldados e oficiais do exército da Guatemala. E os recrutados atuam na província Alva Verapas, sob estado de sítio.



--2. O recrutamento e a formação de milícia privada não representam novidade para as autoridades mexicanas e da vizinha Guatemala.



O cartel Los Zetas, no final dos anos 90, nasceu de recrutamento de membros de forças especiais dos exércitos do México (Gafe) e da Guatemala (Kaibilies).



No final dos anos 90, o big-boss do cartel mexicano do Golfo, Osiel Cárdenas Guillén, arregimentou ex-soldados e desertores do Grupo Aeromóvil de Fuerzas Especiales (Gafe) do exército mexicanos e os soldados de elite do da Guatemala, chamados de “Kaibilies” (maquinas de matar). Com a formação de uma milícia paramilitar (Los Zetas) os empregou no combate a cartéis rivais.



Os militares do Gafe foram formados por especialistas dos EUA, Israel e França. Duas companhias de Kaibiles participam de missões de paz e usam os capacetes azuis da ONU na Libéria, Congo, Costa do Marfim, Libéria e Haiti.



--3. Com a guerra às drogas iniciada no final de 2006 pelo presidente mexicano Feleipe Calderon, os EUA passaram a pressionar o governo da Guatemala, cujo território é usado como entreposto de cocaína pelos potentes cartéis mexicanos.



Como se sabe, a criminalidade organizada é transnacional e atua em rede. Assim, a província de Alva Verapaz ou o complexo do Alemão (antes da retomada) representam, na geopolítica e na geostratégia das drogas, apenas centros de fornecimento, de difusão e consumo.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet