São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Drogas e Prostituição. WikiLeaks publica documento confidencial que detona família real saudita.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 08 de dezembro de 2010.




--1. O fundamentalismo islâmico tem matriz wahabita. E o wahabismo surgiu na Arábia Saudita no século XVIII.



O seu autor, Muhammad Ibn Abd al Wahhab, entendeu que o islamismo tinha se degenerado. Então, propôs um retorno radical às origens e se posicionou contra todas as inovações. Nasce, assim e entre os islâmicos sunitas, a linha wahhabita.



Wahhab propôs, também, a leitura literal do Alcorão.



E o wahabismo proibiu a dança, o álcool, o fumo e todas as drogas que tiram o homem do seu juízo normal.



Da Arábia Saudita e graças ao impulso dado pela família real, o wahabismo se espalhou. Por exemplo, chegou à Chechênia.



Na Arábia Saudita, --que é uma monarquia absoluta--, cabe ao rei, com base na chamada Lei fundamental de 1992, custodiar os lugares sagrados (Meca e Medina) e velar pelos bons costumes.



Pelo WikiLeaks, --para fúria de parte da família real saudita--, foi divulgado um documento “top-secret”, produzido pela diplomacia norte-americana. O documento diplomático fala numa festa de Hallowen, organizada em 2009 por um membro da família real.



Nessa festa, todas as proibições foram ignoradas, com álcool, sexo, maconha, cocaína e prostitutas às pamparras.



Detalhes da festa regada com álcool, uma cortina produzida por fumacê e muita cocaína cheirada, foram, com base no WikiLeaks, tratados em matéria de hoje do conservador jornal britânico Guardian.



A festa teria ocorrido no palácio de um príncipe da família al-Thunayan. Dela participaram 150 pessoas, numa faixa etária entre 20 e 30 anos.



No WikiLeaks, consta, sobre a festa, o relatório do cônsul norte-americano Martin Quinn, à época lotado na Arábia Saudita.



O cônsul Martim Quiin escreveu: - “ Embora nesse caso da festa não existam testemunhas diretas, o uso de cocaína e de maconha é costumeiro nesses ambientes sociais. Bebidas alcoólicas, apesar da proibição severa, eram abundantemente servidas na festa (Halloween). Havia um bar bem fornecido de álcool. Um filipino cuidava do bar.”



--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet