São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Escândalo. Com sexo-gate em curso, Berlusconi abrirá a Conferência Nacional da Família. Protestos.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF,05 de novembro de 2010.

Nádia.



1. Os recentes escândalos sexuais protagonizados pelo primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi ocupam as páginas dos jornais europeus. E não se trata de “gossip” a fazer a alegria de tablóides britânicos.



Hoje indaga-se se Berlusconi deve ou não realizar a palestra de abertura da anual Conferência Nacional da Família, marcada para segunda-feira, 8 de novembro. E não se deve olvidar que Berlusconi se apresenta como afinado com o papa Ratzinger na defesa de valores católicos cristãos.



Ao encontro comparecerão 49 associações que integram os fóruns regionais italianos das famílias e preparam a Conferência Nacional. Os fóruns foram criados em 1992. Neste ano de 2010 sairão das exposições e debates da conferência com duração de três dias as diretrizes para o Plano Nacional de Políticas para a Família diante das mutações sociais.



Apesar da pressão da revista católica Avvenire (dos bispos italianos) e de sinais de desconforto provenientes do outro lado do rio Tévere, onde fica a cidade do Vaticano, o primeiro-ministro Berlusconi confirmou a presença e recomendou aos italianos “não lerem mais os jornais”.



O sério e respeitado arcebispo de Milão, Diogini Tettamanzi, já confirmou presença e fará intervenções. Com a sutileza de um tanque de guerra, o cardeal Angelo Bagnasco, presidente da Conferência Episcopal Italiana (a CNBB de lá), falou sobre a vida de alguns santos da Igreja, de uma vida sem embaraços e de sacrifícios aos prazeres.



A Justiça italiana, pela magistratura do Ministério Público, apura, ainda sem indiciar Berlusconi, casos de favorecimento à prostituição, exploração sexual de menores de idade, tráfico de influência, abuso de poder, distribuição de cigarros de maconha para garotas de programa etc.



As orgias berlusconianas ocorreram no Palazzo Grazioli, residência oficial do primeiro-ministro, na sarda Villa Certosa, residência de verão de Berlusconi, e em Villa Martino, antigo monastério beneditino de 1700, adquirido por Berlusconi em 1974.



Como consequência diplomática de um dos escândalos, o presidente vitalício do Egito, Hosny Mubarack, expediu nota diplomática a protestar contra a “indecorosa” farsa do premiê Berlusconi. Para tirar da cadeia de um distrito policial de Milão uma “garota de programa” marroquina, apelidada Ruby Rubacuori (ruby rouba-coração), Berlusconi afirmou, em ligação com o celular do seu chefe de segurança, tratar-se da sobrinha do referido presidente egípcio Mubarack. Na farsa, com o objetivo de evitar o envio de Ruby a uma casa de custódia para menores, Berlusconi convocou, para o papel de guardiã da menor, a sua amiga Nicole Minetti, ex-bailarina de programas televisivos de auditório que se apresenta como sua ex-higienista dental (cuida da higiene bucodental do premiê).



2. O discurso dos políticos da base berlusconiana no sentido de se separar o privado do público não convence mais. Não se trata, como em outras ocasiões, de festas e orgias e fotografias tiradas com violação à privacidade: caso do premiê tcheco surpreendido pelado, ao lado de belas mulheres, com o pênis erecto, na piscina de Villa Certosa.



O caso, agora, envolve uma ligação do premiê para a polícia para proteger uma escort girl, menor de idade, acusada de roubo.



PANO RÁPIDO. Ontem, Nadia Macrí, de 27 anos, suspendeu a coletiva marcada. Ao Ministério Público contou, dois meses atrás, que havia feito dois “programas sexuais” com Berlusconi, na Villa Certosa.



Nadia apareceu por causa do depoimento de Perla Genovesi, que responde em prisão domiciliar por processo por tráfico de drogas. Mas esse é apenas mais um capítulo do chamado “Sexogate berlusconiano”.



Wálter Fanganiello Maierovitch



...................................................................... RETROSPECTIVA: 01 de novembro de 2010.

Ruby Rubacuori.




Silvio Berlusconi, primeiro-ministro italiano, cavou a própria sepultura, como se diz no Brasil: “mi sono fregato con le mie stesse mani”.



--1.A marroquina Karima El Marough, que hoje completa 18 anos de idade, comparecia às “gandaias” berlusconianas na magnífica “Vila Arcore”, em MIlão.



Apelidada de Ruby, a marroquina Karina e outras garotas de programas, dançavam a africana Bunga-bunga. Faziam um trenzinho sem roupas e os convidados, como vagões ferroviários, engatavam na fila.



A Bunga-bunga evoluiu como dança-brincadeira no Quênia, mas, conforme revela um jornalista do La Stampa de Torino, tem origem numa tradição bárbara. O vencido de uma tribo era sodomizado pelos vencedores, que aguardavam em fila e a dançar.



Conforme o jornal italiano La Repubblica, de maior circulação, Berlusconi conheceu a moderna versão do Bunga-bunga em festas promovidas pelo ditador líbio Muammar Kadafi e, evidentemente, a adaptou às suas festas. Na Líbia de Kadafi as mulhres dançam enquanto os convidados jantam. Nas festas de Berlusconi, o convidado pode deixar a mesa e sair a imitar uma composição de trem.



2. No dia 27 de maio passado, por volta das 19 horas, Ruby foi presa em Milão e levada para o departamento policial (questura).



Uma brasileira residente em Milão havia hospedado a marroquina Ruby, menor de idade, e, posteriormente, a denunciou pelo sumiço de 3 mil euros.



Ruby, cujos país se estabeleceram há sete anos numa cidade siciliana próxima a Taormina (Letojanni), fugiu de casa aos 14 anos de idade. Aos 16 anos ingressou num centro governamental que acolhe jovens órfãos ou em dificuldades. Aos 17 anos começou a frequentar, por indicação da brasileira, as orgias promovidas pelo premiê Berlusconi.



Berlusconi recebeu, ainda não se sabe por quem (a imprensa aponta a brasileira, que estaria preocupada com o risco de Ruby falar sobre as festas, mas interessada em recuperar os 3 mil euros via Berlusconi), a informação de que a bela Ruby havia sido detida pela polícia.



Com o celular do chefe dos seus agentes de segurança, Berlusconi telefonou para a “questura” (departamento de polícia).



Por telefone, Berlusconi disse que Ruby era sobrinha do presidente Mubarak e este tinha pedido a sua intervenção para a soltura e ele, como premiê, queria evitar um escândalo e uma questão diplomática. ATENÇÃO: Ruby é filha de pais marroquinos e nasceu na capital do Marrocos. Hosny Mubarack é o presidente do Egito, desde 1981. Não tem parentes marroquinos.



3. A lei italiana, no caso de Ruby, determina a internação em Casa de Acolhimento. A procuradora Annamaria Fiorillo, por despacho, determinou a internação, confirmada pelo Tribunal de Menores de Milão, tudo no mesmo dia 27 de maio: existe plantão judiciário, que funciona 24 horas.



Apesar da ordem de internação, Ruby foi liberada e colocada sob a guarda da conselheira comunitária regional Nicole Minetti, uma berlusconiana que foi acionada pelo premiê e compareceu à “questura”.



Berlusconi.



PANO RÁPIDO. A polícia informou não haver encontrado vaga nos centros de acolhimento. Já foi desmentida por vários deles, inclusive um bem próximo à “questura”, ou seja, o Istituto Martinitt e Stelline, que funciona desde 1997.



Por favorecimento à prostituição, já estão enquadrados dois fornecedores de escorts girl para as festas de Berlusconi. Agora, a questão é sobre a mentira do premiê, o uso de prestigio para resolver uma questão pessoal e evitar o cumprimento da lei e da presença de uma menor na festa no Bunga-bunga.



O Bunga-bunga deverá derrubar Berlusconi e o papa Ratzinger, desta vez, vai ter de abortar o premiê do seu arco de protegidos: Berlusconi é apresentado como uma das vigas de sustentação dos valores católicos e cristãos e, com relação a temas como aborto, células tronco, segue as orientações vaticanas e coloca a sua bancada majoritária para se opor e impedir os projetos de lei.

Wálter Fanganiello Maierovitch.


Confira a sátira berlusconiana do ‘Bunga-bunga’:


http://www.youtube.com/watch?v=jMXTOic3gJ0


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet