São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Droga. Descoberto maior túnel de passagem de maconha para os EUA. Cemitério exclusivo para narcos. Espanha, cai consumo cocaína.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 4 de novembro de 2010.





1. O mundo das drogas ilícitas continua em ebulição, a misturar boas e más notícias.



Ontem, o presidente mexicano Felipe Calderón, que iniciou em 2006 uma equivocada e militarizada política de guerra às drogas e aos cartéis, comemorou a descoberta de uma sofisticada obra de engenharia que permitia, por um túnel de 600 metros, remessas de toneladas de maconha para os EUA.



Segundo as agências norte-americanas de espionagem, 90% da maconha ofertada nos EUA ingressa pelas fronteiras mexicanas. E os cartéis mexicanos, que operam as redes de fornecimento, estão fortemente equipados, com 90% das armas de fogo compradas no mercado livre norte-americano. Por evidente, a munição vem toda dos EUA, numa rede de dupla mão: armas e drogas.



O túnel descoberto ligava os territórios de Tijuana (México) e a californiana localidade de Otay Mesa.



Para os 007 norte-americanos e mexicanos, trata-se do maior túnel até agora encontrado: o de 2006, considerado o maior, tinha 400 metros e ventilação precária.



O túnel descoberto por denúncias anônimas partidas de Tijuana, conforme afirmaram os peritos vistoriadores, pode ser enquadrado como uma sofisticada e segura obra de engenharia, com sistemas de iluminação, ventilação e trilhos. Estes permitiam a rolagem segura por meio de ágeis carriolas.



Numa ação conjunta das polícias mexicana e norte-americana, foram apreendidas nas bocas do túnel 24,49 toneladas de marijuana: 20 toneladas em território norte-americano.



Atenção: apenas duas pessoas foram presas.






2. Ainda ontem, na turística Acapulco, a polícia mexicana localizou um cemitério onde narcotraficantes enterravam os companheiros criminosos caídos na guerra às drogas. No lugar, já chamado de Cemitério dos Narcos, foram encontrados 18 corpos.



Na guerra às drogas de Calderón já morreram 29 mil mexicanos. E cerca de 70% dos mortos não tinham qualquer ligação com o crime organizado nem com o tráfico ilícito de drogas.





3. A boa notícia veio da Espanha. Pela primeira vez, em 15 anos, o consumo de cocaína caiu entre a população adulta espanhola.



A notícia foi dada pela ministra da Saúde, Leire Pajin, por ocasião da apresentação de relatório que marca o 25º aniversário do Plano Nacional sobre Drogas. Ela explicou que, entre 2008 e 2009, o consumo havia caído em 3 pontos porcentuais entre jovens de 14 a 18 anos de idade. A redução, num levantamento de 2009 e 2010, atingiu a população adulta e a redução foi de 2,6%.

Wálter Fanganiello Maierovitch


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet