São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Terror ano 2010. Memória das Cinzas do 11 de setembro. Mais de 40% das vítimas não identificadas.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 11 de setembro de 2010.


WTC.




--1.Pelos cálculos oficiais, os quatro covardes ataques de 11 de setembro de 2001 resultaram em 2.965 mortes.



Apenas nas torres Gêmeas (WTC-World Trade Center de Nova York) foram 2.752 vítimas fatais.



Passados nove anos do massacre, nas imediações do Groud Zero de Nova York ainda são encontrados restos mortais.



Em junho deste ano de 2010, por exemplo, trabalhadores encontraram 72 pedaços de corpos.



Das 2.965 vítimas dos quatro ataques terroristas, 800 delas lograram identificação pelos exame de DNA.



Não foram identificadas, ainda, mais e 40% do total das vítimas dos ataques em que quatro aviões foram transformados em mísseis devastadores.



--2. O primeiro ataque ocorreu às 8,46 horas do 11 de setembro de 2001, quando o avião da American Airlines do vôo de número 11 atingiu a torre Norte do WTC de Nova York.



Às 9,30 hs, o vôo United número 175 chocou-se contra a torre Sul do WTC.



Logo depois, às 9,37 hs, o Pentágono sofreu o impacto do ‘jet’ do vôo 175 da American Airlaines.



Na Pensilvânia desintegrou-se o avião do vôo United 93, depois de resistência heróica dos passageiros que entraram em luta contra os terroristas alqaedistas.



--3. Um grande ataque, por membros da Al Qaeda de Osama Bin Laden, era esperado para julho de 2001, em Gênova e por ocasião do encontro do chamado G8.



Para se ter idéia da segurança em Gênova, todos os chefes de estado e de governo ficaram hospedados numa embarcação próximo à costa e com blindagem 24 horas. Ou seja, o espaço aéreo restou interditado: nenhum vôo nos céus de Gênova.



Os 007 da Cia e das demais agências norte-americanas, depois do 11 de setembro, ficaram desmoralizados.



Eles ainda falavam russo como segunda língua e não se davam conta que, finda a Guerra Fria, avançava uma nova ameaça, a do extremismo islâmico. Apenas 1% dos 007 da CIA conheciam a língua árabe e, assim mesmo, falavam com sotaque a impossibilitar qualquer aproximação ou infiltração.



Em resumo, tardaram em se preocupar com o terrorismo de matriz fundamentalista islâmica. E antecedentes existiam.



A propósito, em 7 de agosto de 1988, os “bayat” de Osama Bin Laden, então com 49 anos de idade, mandaram aos ares as embaixadas norte-americanas localizadas em Nairóbi (Quênia) e Dar Es-Salaam (Tanzânia): 247 mortes em Nairóbi e 10 em Dar-Es-Salaam.



Depois desses dois espetaculares e simultâneos ataques, circulou, em 1996, um áudio com mensagem de Bil Landen.



A voz era mesmo de Bin Laden e ele dizia: - “ Aviso aos jovens que levaram adiante a ‘jiad’ no Afeganistão e na Bósnia que a batalha ainda não terminou” (1996).



O outro ousado ataque aconteceu em outubro de 2000, no porto de Aden, no Iêmen: o destróier USS Cole quase afundou, morreram 17 tripulantes e outros 43 ficaram gravemente feridos.



Bin Laden, empanos de guerreiro.



--4. Todas as agências européias de espionagem, passado o G8 de Gênova, perceberam que os informes sobre ataques terroristas no decorrer do ‘summit’ tinham sido para despistar. Um outro plano estava em curso, para atacar nos EUA.



Em 1996, Bin Laden já havia declarado guerra aos “judeus e aos cruzados” e, pelo acontecido em Nairóbi e Dar-Es-Salaam, sabiam os 007 que a estratégia alqaedista implicava (a) mais de um alvo de expressão, (b) agentes suicidas e (c) grandes explosões, a gerar interesse da mídia internacional.



--5. O mentor intelectual de espetaculares ataques terroristas no coração dos EUA foi Khaled Sheikh Mohammed (KSM).



Ele apresentou a Bin Laden, em 1996, um plano de doze ataques aéreos nos EUA, incluído o WTC e a Casa Branca.



Esse plano foi maturado por Bin Laden que, em 1999 e segundo os 007 da Alemanha, novamente reuniu-se com KSM.



Nessa reunião com KSM, o chefe do terror, Bin Laden, deu sinal verde para ataques às torres Gêmeas do WTC, ao Pentágono e à Casa Branca (vôo 93 da United que caiu na Pensilvânia). Para as ações foram selecionados 19 alquedistas prontos para morrer (para eles martírio) e sob a liderança de Mohammed Atta.



Dos quatro pilotos alqaedistas (Atta, Al Shehi, Jarrah e Hanjour), apenas Hanjour tinha especialidade, em cursos feitos em 1997, 1999 e 2000. O último aconteceu no Arizona, onde recebeu treinamento num simulador de Boeing 737.



--5.PANO RÁPIDO. No momento, nem Barack Obama tem certeza se Osama Bin Laden está vivo.



O segundo da hierarquia, Al Zawahiri (médico egípcio), não tem nenhum interesse em divulgar eventual morte de Bin Laden, um mito entre os fanáticos.



Zawahire sabe que não tem o carisma e nem conta com o poder de articulação de Bin Laden.



Mais ainda, para Zawahire o importante, estrategicamente, é o Egito (não Afeganistão, Paquistão, Iraque ou Iêmen).



Zawahire pretende aproveitar o ambiente confuso quanto à sucessão do já idoso Hosni Mubarack, no poder desde outubro de 1981. O filho de Hosni Mubarack é o indicado pelo pai.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet