São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Lavagem de Dinheiro. São investigados o chefe do cerimonial do papa Ratzinger, entidades religiosas e o ministro demissionário do governo Berlusconi.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 07 de maio de 2010.


Scajola: apartamento compradocom dinheiro de empreiteira





1. Magistrados do Ministério Público italiano investigam desvio e lavagem de dinheiro de obras públicas. A apuração leva o nome de Grandes Eventos e trata de obras construídas para receber importantes encontros esportivos, artísticos e culturais.



Ontem, flagrado com cheques de empreiteiras usados para comprar um apartamento com sacada defronte ao Coliseu, o ministro do Desenvolvimento Econômico, Claudio Scajola, pediu demissão. O apartamento é o mostrado na foto abaixo.



O valiosíssimo apartamento foi pago à vista por empreiteiras que construíram o parque aquático para o Campeonato Mundial de Natação, ocorrido em Roma, em 2009. Claudio Scajola, nascido em 1948, foi prefeito em Impéria, na Riviera italiana.



Em Impéria, a compra da sua cinematográfica villa, na Riviera dei Fiori, está sendo investigada. Ele é deputado eleito pela coligação Popolo della Libertà, que foi comandada por Silvio Berlusconi.



Em entrevista, Scajola disse ter confiado o negócio a seus advogados e não sabia nada sobre a compra do apartamento onde mora, em Roma. Não conseguiu explicar a ligação com a empreiteira.



Camaldo coloca o solidéu no papa Ratzinger.

2. No mesmo filão de investigação acaba de cair o monsenhor Francesco Camaldo, responsável pelo cerimonial do papa Bento XVI.



Nas cerimônias, Camaldo cuida da indumentária do papa Ratzinger. Na foto acima, publicada hoje no jornal Corriere della Sera, Camaldo aparece colocando o solidéu no papa Bento XVI.



O monsenhor Camaldo é um dos protagonistas da investigação que levou à prisão o empresário Angelo Balducci, que lavava dinheiro da construtora Diego Anemone, vencedora das concorrência de obras públicas superfaturadas.



Balducci, conselheiro leigo da Congregação para a Doutrina da Fé (ex-Santo Ofício e já presidido por Ratzinger, quando cardeal), é acusado de lavar dinheiro sujo em instituições religiosas, como a Congregação do Precioso Sangue de Cristo e a Congregação dos missionários da África.



Quando da prisão de Balducci, o monsenhor Camaldo, entrevistado pela imprensa, disse: “Estou muito triste e atormentado. Trata-se de uma pessoa de moral sem máculas, conhecida e estimada no Vaticano”. Agora, já se pode imaginar sobre as razões das suas tristeza e tormento.



PANO RÁPIDO. Não bastassem os escândalos de pedofilia, o papa Ratzinger vai ter de enfrentar um novo terremoto: quais entidades religiosas são usadas para esconder e lavar dinheiro de obras públicas?



Wálter Fanganiello Maierovitch


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet