São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Luto Europeu. Desde 1990 autoridades polonesas discutiam a substituição do avião presidencial.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 12 de abril de 2010.



1. Um primeiro laudo pericial, elaborado por técnicos russos e polacos, afasta a suspeita de falha no Tupolev-154, aeronave russa que não é mais fabricada.



Desde 1990, as autoridades polonesas discutiam a substituição do avião oficial do presidente da Polônia. O Tupolev-154 ficou conhecido por consumir muito combustível e seus motores fazerem o dobro do barulho. Segundo a BBC, o número de acidentes como Tupolev-154 é de 28, ou seja, dentro da média.



O Tupolev que atendia ao presidente da Polônia deu dois problemas em 2008. Numa viagem presidencial à Mongólia, não decolou por desgaste em peças. Em outra viagem, uma turbulência provocou desestabilização.



Os peritos verificaram que a última revisão do Tupolev-154 do presidente polonês ocorrera há três meses.



Ainda não foi comunicada oficialmente a causa da tragédia. Mas já se sabe que o piloto, depois de duas tentativas para aterrar no aeroporto militar Okecie, voltou a arriscar uma terceira descida, apesar de o aeroporto estar fechado por forte nevoeiro. Mais ainda, o piloto desconsiderou a recomendação dos controladores de terra.



A torre de controle recomendara descida em Moscou ou num outro aeroporto aberto. O avião presidencial, segundo os técnicos da torre de controle, entrou com angulação errada na pista, arrancou copas de árvores próximas e consumou-se uma tragédia desenhada pelos controladores.



A tragédia em Smolensk (Rússia) resultou em 97 vítimas fatais, incluída a tripulação. Praticamente, foram eliminados todos os integrantes da cúpula do governo, como o presidente Lech Kaczynski.



2. O motivo da viagem decorreu de uma política de reaproximação entre polacos e russos. O encontro seria na floresta de Katyn onde houve, em 1940, e por ordem de Stalin da União Soviética, o extermínio de oficiais e soldados poloneses.



Em 1939, Alemanha e União Soviética já tinham dividido e se apropriado da Polônia, que havia renascido em 1918. Os aliados declararam guerra à Alemanha (não à União Soviética) diante da agressão e apropriação de parte da Polônia. Os poloneses, em 1944, promoveram uma luta de resistência contra os ocupantes nazistas.



No curso da história, a Polônia fora um império forte e chegou a conquistar a Rússia e os atuais territórios da Ucrânia e Bielo-Rússia. Inúmeras vezes foi agredida pela Áustria, Prússia e Rússia. Sobre a chacina de Katyn, a responsabilidade soviética ficou demonstrada pela abertura de arquivos oficiais determinada em 1990 pelo então presidente russo Mikhail Gorbachev.



O encontro que estava programado para Katyn marcava, para a Polônia, a recuperação de uma parte da sua traumática história e, pós-Guerra Fria, a consolidação democrática, iniciada em 1987 e com a primeira votação livre em junho de 1989.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet