São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Drogas. Presos chefe de polícia e czar antidrogas da Guatemala. Hillary Clinton chega com programa antidrogas para a América Central.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 4 de março de 2010.

Hillary Clinton.


Os cartéis de drogas da Colômbia e do México sempre usaram a América Central como território seguro para armazenar e transitar com a cocaína andina destinada aos EUA. Também para apoio às suas atividades de lavagem de dinheiro e a reciclagem de capitais. Por exemplo, o falecido Pablo Escobar, então chefão do extinto cartel de Medellín, usava ilhas caribenhas e San Salvador para pouso dos aviões da sua frota, que ficou conhecida como “Expresso da Cocaína”. No Panamá e a jogar de mão com o então presidente-ditador Manuel Noriega ( homem da CIA), Escobar lavava dinheiro do cartel de Medellín.



Para Frank Mora, do departamento norte-americano para relações no Hemisfério Ocidental, as ações de repressão na Colômbia e no México estão levando os chefões do tráfico a se transferirem para países da América Central. Em razão disso, a secretária Hillary Clinton, a caminho da Guatemala, apresentará uma proposta de combate ao narcotráfico, sem esquecer que a América Central serve de passagem para a cocaína, maconha e heroína, enviadas ao mercado consumidor norte-americano.



Desde 2006, os cartéis mexicanos usam o território da vizinha Guatemala, cujo governo é incapaz de reprimir potentes organizações criminosos. Para se ter idéia, em março de 2007 o ministro do Interior (responsável pela segurança pública) demitiu-se por entender que não conseguia manter a ordem e nem reprimir as associações delinquenciais: três parlamentares de San Salvador tinham sido assassinados na Guatemala.



Ontem, por pressões do governo norte-americano através da agência Drug Enforcement Administration e diante da visita de Hillary Clinton, foram presos, por envolvimento com o tráfico interno e internacional de drogas ilícitas, o chefe da polícia de Guatemala, Baltazar Gomez, e o czar antigrogas do governo guatelmateco, Nelly Bonilla.



Ambos estão sendo acusados, também, de co-participação na morte de 5 policiais, metralhados por narcotraficantes. Esses 5 policiais eram considerados incorruptíveis e enfrentavam as organizações criminosas.



Para o vice-ministro do Interior da Guatemala, Francisco Cuevas, existe no país um “esquadrão da morte” a serviço do crime organizado.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet