São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Droga. Cerveja de Maconha. Suspeita de fermentação com o princípio ativo thc.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 15 de fevereiro de 2010.





Com pesado projeto de marketing, o italiano Michele D'Andrea sonhou em repetir o grande sucesso econômico-comercial do seu conacional Angelo Mariani.



O antigo vinho Mariani, feito com a folha de coca, foi a bebida da predileção do papa Pio IX, do trapalhão presidente dos EUA de então, William McKinley, de reis e intelectuais como o gênio da lâmpada Thomas Edison e o mestre da psicanálise Sigmund Freud.



Referido vinho Mariani foi o precursor da Coca-Cola. Frise-se: há anos a Coca-Cola não mais utiliza o princípio da folha de coca, ou seja, a bebida transformou-se em refrigerante, à base de cafeína. Aliás, bebida da predileção deste articulista.



No final da semana passada, D'Andrea apresentou a sua cerveja de maconha na Tecnobar&Food, uma famosa feira internacional que anualmente ocorre na italiana Pádua.



Não se sabe se D'Andrea contou com a benção de Santo Antonio de Pádua, o único santo português padroeiro de uma cidade italiana.



A propósito, Antonio conquistou a glória dos altares, a fama de casamenteiro e uma magistral basílica em Pádua, onde se encontram os espólios da sua garganta e língua. Tudo, num país que detém o maior número de papas e santos do planeta.



Parênteses. O maior tempo de pontificado na Igreja Católica foi do papa Giovanni Ferretti (Pio IX, 1846-1878).



Conforme superficial pesquisa que realizei, o papa Ferretti (Pio IX) é tio-avô do brilhante jornalista Milton Ferretti Jung, âncora da rádio CBN, cujo blog é recomendado na página do Sem Fronteiras. Como se nota, o estimado gremista Milton Jung é da poderosa famiglia Ferretti, que emplacou até papa no Vaticano.



Com efeito. Diante da grande publicidade da cerveja de erva canábica, a “Mary-Jo, the hemp beer” (http://beerculture.org/wp-content/uploads/2008/02/hempbeers.jpg ), as autoridades italianas e norte-americanas (o produto seria distribuído nos EUA) resolveram, talvez por lembrar do vinho Mariani, realizar a apreensão de 6.264 garrafasna fábrica de Belluno (norte da Itália). Isso por suspeita de presença do princípio ativo da maconha (marijuana) no produto.



PANO RÁPIDO. A “Mary-Jo, the hemp beer” não foi importada a tempo de atender ao carnaval brasileiro de 2010.



Caso não se confirme a suspeita de “fermentação” com o princípio ativo da maconha (foram apreendidas 40 amostras de fermentadores), a cerveja poderá chegar ao Brasil. Aí, terá de mudar o rótulo, pois “hemp beer” vai incomodar os moralistas de plantão.

Wálter Fanganiello Maierovitch


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet