São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Máfia. Presos dois chefões, da nova e da velha gerações.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 06 de dezembro de 2009.

Giovanni Nicchi, 28 anos, chefão sanguinário da nova geração.




Hoje cedo recebi um telefonema de um magistrado, --amigo fraterno--, que é do “pool antimáfia” de Palermo e, fora da função, incentivou à organização, junto à sociedade civil, do grupo “Addiopizzo”. O ‘pizzo’, como se sabe, é o “pedágio” que a Cosa Nostra cobra de comerciantes e de industriais para garantir que as suas empresas funcionem sem molestações. Em outras palavras, que nada de ruim aconteça nos negócios, como, por exemplo, assaltos, incêndios, falências.



Ele confundiu as três horas de fuso horário e me tirou da cama às 5 horas (8 da manhã, lá). Pensou, por aqui, em 11 horas da manhã e, por conseqüente, o molho da pasta já em cogitação. Como a notícia era boa, dei uma volta pelo quarto, e voltei ao leito, depois de um pensamento dirigido è memória de Giovanni Falcone, que a Cosa Nostra explodiu, em 23 de maio de 1992. .



Dois ‘capi mafiose’ de importância foram presos. Essa era a boa notícia. Um deles, Giovanni Nicchi, de 28 anos, estava na lista dos 30 mais procurados. O outro, Gaetano Fidanzati, 74 anos, era da velha geração de mafiosos e comandava o tráfico de drogas. Mais ainda, trocava heroína turca por cocaína colombiana e a disponibilizava no Norte da Itália, que escolhera como lugar de refúgio: deixara Palermo (sul) para habitar em Milão e driblar o cumprimento de mandados judiciais. .



Em crise pelas inúmeras prisões de velhos e importantes chefões (Totó Riina, Bernardo Provenzano, Lo Piccolo, os irmãos Graviano e há vinte dias Domenico Raccuglia), a Cosa Nostra, desarticulada, abriu-se para os seus jovens membros.



Giovanni Nicchi, apelidado ‘ tiramissù’, passou, ---aos 28 anos e a aproveitar o vazio deixado pelos “capi mafie”--, a comandar uma das ‘famiglie’ da Cosa Nostra de Palermo. .



O jovem Nicchi abriu caminho e subiu na hierarquia mafiosa da mesma forma que Totó Riina, o ‘capo dei capi di Cosa Nostra´. Ou seja, conquistou a liderança pela violência. Riina, hoje com 79 anos, foi preso em 1993. Ele é o responsável pela declaração de guerra contra o Estado italiano em 1979: foi o mandante dos assassinatos dos juízes Giovanni Falcone e Paolo Borsellino. Também determinou os bombardeamentos ocorridos em Milão, Roma e Florença. .



A ‘squadra mobile di Palermo’ encontrou uma pista sobre Nicchi há uma semana. Na sexta-feira teve a certeza de que ele escondia-se em um prédio de apartamentos, no centro de Palermo. A prisão, sem resistência e que o apanhou de surpresa, ocorreu ontem, sábado.



Por mero acaso ocorreu a prisão, também no sábado, de Gaetano Fidanzati. Acompanhado do cunhado e de um amigo, Fidanzati fazia compras de Natal numa das ruas comerciais mais sofisticadas e caras de Milão..



Um policial da ‘ squadra móbile di Milano’, em trajes civis, também circulava por lá. Ao dar de cara com o ‘boss´, deixou que passasse. Aí, encostou a arma nas suas costas e o algemou. Assim o ‘capo’ Fidanzati acabou preso. Depois da prisão, o policial disse que todos os dias olhava os retratos dos mafiosos foragidos e, quando bateu o olho em Fidanzati, não teve nenhuma dúvida.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet