São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

DROGA. Efeito Phelps: xerife prende 8 jovens presos.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 12 de fevereiro de 2009.

Ensinam os livros de botânica que no planeta foram identificadas até agora 80 mil plantas. Desse universo, 4 mil possuem propriedades psico-ativas.


Apenas sessenta plantas com tais propriedades são utilizadas pelo homem. Dentre elas, a maconha, a folha de coca, a papoula (da coroa de sustentação das pétalas é extraído ópio, que em grego quer dizer suco), o café e o chá. A utilização, muitas vezes, é para fins medicinais, terapêuticos.


O uso lúdico, recreativo, perde-se no tempo. O historiador Heródoto, que viveu no século V aC, escreveu no quarto volume da sua obra de nove, sobre o uso ritual, em cerimônia fúnebre, de uma planta nativa. Sementes e folhas dessa planta eram queimados numa barraca fechada onde jazia o corpo. Apenas os homens podiam ingressar e ao inalar a fumaça sentiam um alívio e a dor da perda era abrandada.


Com efeito. O campeão Michael Phelps usou um recipiente de vidro para tragar maconha e acabou fotografado por uma câmara de aparelho celular. Tal fato ocorreu numa festa de universitários na Carolina do Sul. Meses depois do consumo, a foto Phelps foi publicada. Lógico, acabou vendida e revendida por uns bons trocados.


No país da falida política da “ war on drugs”, que acredita numa vexatória pena-castigo para inibir a demanda, Phelps acabou punido. Até pela federação de natação, que lhe aplicou três meses de proibição de competir, fora a publicidade da sanção.


Um dos seus patrocinadores, a cereais Kellogg, rescindiu o contrato. Nobre ato, ao invés de auxiliar Phelps e dar uma força no compromisso público de que o fato não irá se repetir, a Kellog preferiu romper o contrato, a mostrar grande sensibilidade humanitária, até por a prestigiar a “war on drugs”.


Até agora, nenhuma punição foi imposta aos que idealizaram e aos governos que adotam a equivocada política da “war on drugs”. Uma política que os EUA impuseram para as Nações Unidas na Convenção de Nova York de 1961. Ela continua em vigor, pois ainda não se alterou a referida convenção. Só que desde a sua adoção e implantação, os norte-americanos tornaram-se campeões mundiais de consumo de drogas relacionadas como proibidas.


No caso Phelps, sancionado sem a prova da materialidade e com base numa confissão, o xerife da Carolina do Sul resolveu agir, dentro das regras da “war on drugs” de punir exemplarmente a todos.


O xerife prendeu sete jovens acusados de posse de maconha na tal festa que participou Phelps. Por evidente, o xerife não conseguiu apreender a porção de maconha que estaria, à época, na posse deles. Mas, na “war on drugs” vale até presunção de posse, sem prova do fato material, ou seja, a apreensão da substância proibida e a prova químico-toxicológica da presença do componente ativo: tetra-hidro-cannabinol, com relação à maconha.


Não bastasse, acabou preso, também, um jovem universitário que não estava na festa. Seu crime: era dono do recipiente de vidro usado, como cachimbo, para Phelps tragar a erva canábica.


Segundo o xerife, o dono do recipiente tinha mandado alguém portá-lo à festa para vendê-lo a algum interessado.


PANO RÁPIDO. Para os fundamentalistas da “war on drugs”, estribada na busca de um usuário culpado, não haveria tráfico sem demanda.


Esse truísmo tolo, de matriz religiosa, poderia ser aplicado a várias outras hipóteses. Por exemplo, não haveria cloridrato de cocaína se não existissem insumos químicos. Que tal fechar a indústria química, já que não se consegue fiscalizá-la ? Algum estulto proporia isso ?


Custa muito perceber, e não adianta citar Heródoto, que não existe sociedade sem drogas. Quando ao consumo, é uma questão de saúde pública, sócio-sanitário, e não criminal.


Como o tráfico de drogas ilícitas movimenta cerca de US$ 400 bilhões anualmente no sistema bancário internacional, poderíamos aplicar outro truísmo burro a levar ao fechamento dos bancos.


--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet