São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

DROGA: Fungos Mágicos proibidos na Holanda.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF, 3 de dezembro de 2008.



Na Inglaterra, os fungos naturais e os secos foram, em 2007, proibidos por provocarem alucinações e comportamentos de risco.

“cogumelos mágicos” produzem, no sistema nervoso central, efeito alucinógeno.


Para o ministro holandês, a proibição decorre do fato de ter ficado comprovado “ que o uso dessas substâncias podem levar a comportamentos imprevisíveis e perigosos”.


O caso que mais abalou os holandeses envolveu uma turista francesa de 17 anos de idade. Ela estava numa excursão escolar e, depois de consumir os “fungos mágicos” comprado num smartshop, atirou-se de uma ponte de Amsterdã e morreu. Segundo as colegas, ela disse que tinha a sensação de poder voar.

Pelos cálculos oficiais, todos os anos, na Holanda, eram comercializados mais de 500 mil cogumelos com princípio alucinógeno.

Um habituê no consumo desses fungos, e também do cacto peyote , foi o escritor inglês Aldous Huxley. Em 1954, ele escreveu o livro “The Doors of Perception” e nele conta a experiência derivada do uso de fungos alucinógenos.

PANO RÁPIDO. Na Europa, novembro-dezembro são os meses dos fungos, usados na gastronomia e, evidentemente, sem princípio ativo a causar alucinações. Na bela cidade italiana de Alba, no Piemonte, esta é a época das trufas. A propósito, uma “raspada” de trufa num prato de massa custa caro. A vantagem é que vinhos especiais do Piemonte, como o Barabaresco ou o Dolcetto de Alba, têm preço a “buono mercato”.

No momento, penso numa pasta ai funghi, com um copo de Barallo, também do Piemonte: tim-tim. Aviso: se estiver dirigindo nossa Kombi de blogueiros, não beba.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet