São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

DROGAS: Continua o embate EUA x Bolívia.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF,11 de novembro de 2008.

DEA.

Na semana passada, como destaquei em post, o presidente boliviano Evo Morales rescindiu com o governo norte-americano o acordo bilateral de cooperação sobre o fenômeno das drogas.


O mesmo já havia feito, com pleno acerto, o presidente venezuelano. Chávez acusou a agência americana Drug Enforcement Agency (DEA) de realizar espionagem política ao invés de se preocupar com o combate às drogas ilícitas.


Ontem e com malas prontas, um diretor e seis agentes da DEA deixaram La Paz. Eles rumaram para o Peru, onde ficarão baseados, pois igual acordo existe com os EUA.


Logo depois do embarque para o Peru dos supracitados diretor e agentes da DEA , o ministro do Interior da Bolívia, Alfredo Rada, explicou que “não havia sentido a permanência deles no país, em face da decisão do presidente Morales”.


A propósito, Morales, para romper o acordo bilaterial, sustentou ter a DEA realizado operações de espionagem política, de modo a abandonar as suas tarefas específicas. Mais ainda, para Morales a DEA apoiou a revolta violenta contra o governo central, ocorridas nos rebeldes departamentos da chamada “Meia-lua Oriental”.


O rompimento com a DEA faz parte de uma crise diplomática que levou Morales a expulsar do pais o embaixador norte-americano, tendo o presidente Bush, imediatamente depois, expulsado o embaixador boliviano.


O jogo foi desempatado por Bush, no início da segunda quinzena de setembro. Bush colocou a Bolívia no elenco de países que não cooperam na luta contra as drogas. Essa lista, como é sabido, é encaminhada ao Congresso, que vota a suspensão de auxílio econômico-financeiro ao país relacionado.


Ontem, logo depois da saída dos agentes e do diretor da DEA, um ministro de Estado boliviano, com atuação junto à presidência da República, Juan Ramon Quintana, deu, para o rompimento do acordo, motivo diverso do apresentado por Morales.


Quintana, que convocou uma coletiva de imprensa, afirmou que a DEA tinha “encorajado o narcotráfico na Bolívia”. Aos presentes, mostrou vários documentos que dariam sustentação à conclusão apresentada.


PANO RÁPIDO. Sem conhecer o documento exibido pelo ministro Quintana seria, por evidente, irresponsável apoiar a tese de a DEA ter “encorajado” narcotraficantes, tudo, evidentemente, para expor Morales.


Não se deve esquecer, no entanto, que o governo americano, pela CIA, já autorizara a venda de cocaína em Los Angeles para financiar a luta contra os sandinistas, na Nicarágua.


No Brasil, esse órgão realizou, além de interceptações telefônicas clandestinas, cooptação de agentes da polícia federal.


Portanto, jogo sujo, para atingir objetivos geopolíticos e geoestratégicos, é uma especialidade dos serviços de inteligência dos EUA, incluído a agência antidrogas, que também é de espionagem.
--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet