São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

DROGAS: Narcotraficante compra avião da CIA.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.

IBGF, 9 de setembro de 2008.

avião Grumman Gufstream-silver.


O avião é um Grumman Gufstream. A Central Agency Intelligence (CIA) utilizava-o para transportar suspeitos de pertencer à Al Qaeda para o cárcere de Guantânamo, entre 2002 e 2007.

Em 2007, a CIA resolveu trocar a frota e o avião foi vendido a Joaquin El Chapo Guzman, o chefão do potentíssimo cartel mexicano de Sinaloa.

Esse cartel leva o nome do estado e rivaliza com o de Tijuana no tráfico de cocaína, heroína e maconha, para os EUA, pelo Pacífico (Golfo da Califórnia), Atlântico (Golfo do México) e pela fronteira com San Diego.

Para adquirir o Grumman Gulfstream, o chefão do cartel de Sinaloa usou um laranja, Clyde O´Connor, que pagou em dinheiro vivo US$2,0 milhões, em 16 de setembro de 2007. A intermediação se deu pela casa de câmbio mexicana de nome Puebla, que está sob investigação em face de suspeita de lavar dinheiro para o chefão El Chapo.

As investigações sobre o avião e que levaram à identificação do verdadeiro proprietário, decorreram da sua queda, próximo a Mérida, no Golfo do México, com quatro toneladas de cocaína.

Em 1999, quando era secretário nacional antidrogas da presidência da República, descobri que um pequeno avião, apreendido com drogas, havia sido vendido em leilão pelo governo federal. O arrematante tinha sido o que teve o avião apreendido com drogas e, para espanto maior, havia sido condenado. Diante disso, fiz a proposta, e o presidente Fernando Henrique topou, para a imediata venda judicial (pelo juiz e acompanhada pelo Ministério Público) de bens apreendidos com narcotraficantes, mediante caução e venda judicial. Foi editada uma Medida Provisória por FHC, depois, com pequenas modificações, transformada em lei: os bens do megatraficante Abadia, recém extraditado para os EUA, foram antecipadas. PANO RÁPIDO . A Cia mantém a sua tradição de promover trapalhadas e os seus 007, depois da tragédia de 11 de setembro, foram obrigados a falar árabe. Há pouco, se constatou que são identificados pelo sotaque. Mutatis mutandis, é como o ministro Mangabeira Unger a falar português.
--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet