São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

ALGEMA SÓ PARA CRIMINOSO SEM COLARINHO E GRAVATA.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF, 19 de agosto de 2008.

foto: o elegante ministro Marco Aurélio de Mello



Hoje encontrei na minha mesa uma frase que enriquece as letras jurídicas do nosso país e mostra a riqueza da nossa cultura jurídica.

A frase entrou para a hemeroteca do Instituto Brasileiro Giovanni Falcone e foi marcada, grifada, pelo meu lápis-falante. O lápis é conhecido por Duque de Alba e tem sangue-azul, ou melhor, ponta azul.

Apesar de o Duque de Alba estar em fase terminal, --por causa de um apontador voraz--, ele ainda me ajuda muito na seleção de frases fundamentais para as letras jurídicas.

A frase selecionada é do ministro Marco Aurélio de Mello.

O ministro Marco Aurélio de Mello foi indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF) pelo seu primo Collor de Mello, quando era presidente.

O ministro Marco Aurélio disse o seguinte: “Se é crime financeiro, de falcatrua, não há necessidade de algema” .

Em razão da frase, o Duque de Alba, meu lápis-falante, entrou em contato telefônico com o PC Farias, que usa um celular blindado, daqueles a prova de fogo do inferno.

O PC Farias, -- aquele da quadrilha do Collor deMello— concorda com a rica frase do ministro Marco Aurélio de Mello. Ele só lamenta não ter vivido o suficiente para desfrutar da enriquecedora colocação jurídica do ministro Marco Aurélio.

Não sei informar se algumas pessoas, como Renan Caleiros, Paulo Maluf, Jader Barbalho e Daniel Dantas, concordam com o ministro Marco Aurélio sobre desnecessidade de uso de algemas em predadores ricos.

O ex-banqueiro Salvatore Cacciola, -- que fugiu depois de uma absurda liminar do ministro Marco Aurélio,-- já obteve uma decisão do STF para não ser algemado. Afinal, algema é coisa para pobre e Caciolla é rico e poderoso. Poderoso a ponto de ter conseguido se livrar de alguns processos, no acordo de extradição com o Principado de Mônaco. Aliás, acordo muito mal explicado pelo ministro da Justiça.

Pelo andar da carruagem, não vai demorar para o verbete da recém editada súmula vinculante de número 11 ser retificado. Dele, depois da frase do ministro Marco Aurélio, poderá constar: “Se é crime financeiro, de falcatrua, não há necessidade de algema”.
- Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet