São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

Caso Daniel Dantas: o jantar entre o ministro da Justiça Traso Genro e o baqueiro do Opportunity.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF, 13 de julho de 2008.

O inquérito policial que apura crimes perpetrados por Daniel Dantas tramita há mais de quatro anos.

Ele é presidido pelo delegado Protógenes Queiroz. Esse delegado prendeu Paulo Maluf e o maior contrabandista brasileiro, Law Kin Chong. Ainda, coube ao delegado Queiroz reprimir a tentativa de transformar o Sport Clube Corinthians Paulista em lavanderia (Lavanderia São Jorge, dizem os palmeirenses) no interesse do oligarca Boris Berezovsky. Interesse esse oculto na empresa de fachada conhecida por MSI.

Como todos sabem, a Polícia Federal está topograficamente no Ministério da Justiça. E era impossível o ministro Tarso Genro não saber de apurações policiais a envolver o banqueiro Daniel Dantas.

Agora, não dá para compreender por que razão o ministro da Justiça, Tarso Genro, aceitou convite para jantar com Daniel Dantaos, quando as investigações criminais estavam em curso.

Se os ilustres leitores deste modesto blog tiverem alguma resposta, por favor, compartilhem conosco.

Quanto ao comportamento de um ministro que aceita jantar com um suspeito de graves crimes, com o curriculum criminis de um Daniel Dantas, já formulei o pior dos juízos. Embora presumidamente inocente (não culpado), Daniel Dantas sempre foi, no popular, um “chave de cadeia”.

Num país minimamente sério, Tarso Genro já teria sido defenestrado, entre a sobremesa e o café , daquele jantar na companhia de Dantas.

--Wálter Fanganiello Maierovitch--


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet