São Paulo,  
Busca:   

 

 

Agora

 

DALAI LAMA: o ícone do pacifismo virou problema.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

IBGF, 19 de dezembro de 2007.





A China resolveu jogar pesado contra o Dalai Lama, no mundo temporal registrado como Tenzin Gyatso.

Quanto mais o governo da China protesta, ataca e ofende, o Dalai Lama mantém-se tranqüilo, pacífico.

“Não boicotem os jogos Olímpicos na China”, foi sua frase de domingo passado, depois de a China protestar com o fato de a prefeita de Milão, Letizia Moratti, tê-lo recebido e comparecido à sua alocução, que reuniu mais de 80 mil pessoas”.

Para a China, o Dalai Lama tem como único objetivo a independência do Tibet. Sobre isso, o “Oceano de Sabedoria”, tradução do nome Dalai Lama, dá a mesma resposta: “ Não buscamos a independência. São acusações calculadas, pois faz tempo que os chineses sabem que não queremos a independência. Desde 2001 realizamos seis encontros dos nossos delegados com o governo China. Muitos progressos ocorreram até a primavera de 2006. Aí, o governo Chinês recomeçou as acusações de separatismo da minha parte e a repressão no Tibet”.

O Dalai Lama está no exílio desde março de 1959. Conta ter escapado no meio da noite, quando a artilharia chinesa aproximou-se do palácio onde habitava. E explica que é a 14ª. reincarnação do Lama. Está com 72 anos e é um “sem-teto”, pois teve de fugir para não ser morto pela artilharia chinesa.

Atualmente, a China pressiona para que o Dalai Lama não seja recebido por chefes de governo ou de estado. Pior, é que o Dalai Lama está encontrando dificuldades. Enquanto os políticos e chefes de estado fogem dele, cada vez mais as pessoas interessam-se pelas suas exposições e conferências.

O Dalai Lama contou que já enteve com Mao The Tung, num histórico encontro ocorrido em Pequim, em 1954 e para discutir o futuro do Tibet.

Sobre o encontro disse que Mao o recebeu como se fosse um filho, com muita atenção e deu-lhe uma série de conselhos. Frisou que quase Mao o convenceu a ingressar no Partido Comunista. E arrematou: -“ Até agora me considero metade budista e metade marxista. Efetivamente acredito que o marxismo seja ainda a chave de uma justiça social e econômica”

Quando indagado sobre a reações dos governos que não o recebem, o Dalai Lama responde: “Onde eu vou procuro não criar incômodos, ainda mais quando algum governo sentes-e incomodado em me encontrar. Não serei eu a protestar contra isso. O meu objetivo é maior, ou seja, é a promoção dos valores humanos e a hamonia entre as religiões”

Na verdade, o Dalai Lama vem sendo evitado para que os chefes de governo (primeiro ministro) ou de estado (presidente) não desagradem a China, com a qual querem manter boas relações econômicas e comerciais.

Desculpas esfarrapadas como não ter vaga na agenda, como fez o papa Bento XVI: atualmente a diplomacia vaticana está com ótimas relações com a China e um bispo no “aquecimento” para se mudar para Pequim. A grande vergonha, nesse campo de desculpas, ficou a cargo do italiano Romano Prodi. Apertado num programa de televisão pelo apresentador, Prodi negou que tivesse se recusado a receber o Dalai Lama. Não esperava o premier, entretanto, a óbvia pergunta se no futuria aceitaria recebê-lo. Aí, veio a calhordice: “ razões de Estado devem ser pesadas e as pessoas precisam compreender isso”. Em resumo, não o receberá em nome de “razões de Estado” que, aliás, não explicitou qual seriam.

PANO RÁPIDO. Quase nenhum líder político ou chefe de governo ou de estado queram receber o ícone mundial do pacifismo. E o Dalai é um budista-lama que luta pela liberdade de expressão, dedica-se à promoção de direitos humanos, prega o respeito ao meio-ambiente e a harmonia entre as religiões. Na China, -- que não quer conceder autonomia (independência jamais) ao Tibet--, ter um estatua de Buda em casa é proibido. E portar uma fotografia do Dalai Lama dá cadeia.

Para a China, o Dalai Lama é apenas um perigoso ativista que só deseja a independência do Tibet.

O Dalai Lama explica que procura não criar embaraços para quem não quer recebe-lo.Avisa que só deixa o pedido para que o governante faça algo a mais pelos direitos das pessoas e dos cidadãos. Sobre sua sucessão (ele foi procurado e encontrado pelos Dalais quando tinha 2 anos de idade) disse que na nova encarnação, o espírito do Lama poderá escolher um corpo de mulher, pela primeira vez. Também esclareceu que a escolha poderá ser como a do papa, por um conclave. Contou, anda, que a escolha pode suceder antes da sua morte, ou seja, uma reincarnação em outro, fato que já ocorreu em outra oportunidade.

Se a reincarnação recair numa mulher, dá para imaginar que será mais facilmente recebida, pois já existem mulheres nas chefias de países como, por exemplo, na Alemanha, Chile, Filipinas. Embora tenha caído na pontuação entre os democratas, Hilary Clinton poderá virar presidente. Wálter Fanganiello Maierovitch.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet