São Paulo,  
Busca:   

 

 

Cultura

 

RACISMO, de chuteiras e com torcidas organizadas

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

Nas torcidas e dentro das quatro linhas dos estádios espalhados pelo planeta, a preocupação com a bola vem sendo substituída pelo preconceito de raça, cor e origem.

Mussolini e Hitler: união do fascismo com o nazismo.


A torcida da Lazio deu o pontapé inicial das discriminações e começou por exteriorizar sua revolta irracional contra os seus próprios jogadores. Coincidência ou não, a Lazio era a esquadra do coração do fascista Benito Mussolini.

Com muita velocidade e furor bárbaro, o racismo passou a ser sentido em diferentes campos da Europa e da América do Sul. O goleiro Dida, do Milan, foi alvo de recentes disparos realizados com rojões. Cafu, da mesma esquadra lombarda, já cansou de ser ofendido em campo por jogadores adversários e por torcedores.

Outra coincidência, o movimento fascista foi fundado em Milão, em 23 de março de 1919, durante uma reunião organizada por Mussolini.

Na Alemanha, jogadores negros são hostilizados pelas torcidas, a demonstrar que o neonazismo precisa continuar vigiado.

Um bom exemplo foi dado, nesta quarta-feira (13 de abril de 2005), pelo presidente da Confederação Sulamericana de Futebol, o paraguaioi Nicolas Leos. Dentro das dependências do 34ª. Distrito Policial, Nicolas avisou: o zagueiro Leandro Desábato, da equipe do Quilmes, não joga mais a Taça Libertadores da América.

Desábato repetiu, no Brasil, o que já havia feito na Argentina com o centroavante Grafite, do São Paulo. Sem saber que a genética desmontou a teoria do racismo, de modo a comprovar que a espécie humana não se classifica em raças, Desábato ofendeu Grafite, com expressões impublicáveis e reveladoras de discriminação racial.

Na delegacia de polícia, depois de ser preso em flagrante em face de representação de Grafite, confirmou as ofensas e alegou não saber que praticara crime e de a nossa Constituição repudiar expressamente o racismo, ao cuidar dos princípios fundamentais da nossa República.

Não importa se o argentino deverá ou não ficar preso e o longo tempo de duração do processo criminal, com réu residente em outro país. O importante é que o bom exemplo de reação foi dado.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet