São Paulo,  
Busca:   

 

 

Cultura

 

A DEPUTADA LUXÚRIA. Polêmica com a primeira deputada transexual -não enrustida- da história dos Parlamentos Europeus

Por Wálter F Maierovitch/Rádio CBN/Justiça e Cidadania





OLHO.

A deputada Vladimir Luxúria foi expulsa pela deputada Elisabetta Gardini do banheiro da Câmara dos Deputados (Plazzo Montecitório).

Uma comissão de deputados juristas bem interpretou a Constituição:
“As escolhas relativas à própria identidade sexual pertencem à esfera pessoal de cada um e como tal devem ser respeitadas”.

A fascista Alessandra Mussolini, neta do ditador Benito Mussolini, solidarizou-se com Gardini e afirmou "é melhor ser fascista do que gay". Nem era preciso afirmar ou se solidarizar, pois não se esperava algo diverso de uma fascista.

..............
MATÉRIA.

Estou aqui numa discussão com os meus botões. É sobre a discriminação sexual em banheiros reservados a deputados.

O caso é “macarrônico”, burlesco. A deputada italiana Elisabétta Gardini, uma direitista, encontrou no banheiro das mulheres da Câmara a sua colega Luxúria, que é deputada pela Refundação Comunista.

Indignada, a deputada Gardini expulsou Luxúria do banheiro das mulheres e representou ao presidente da Câmara dos Deputados.

Pois bem. Luxúria, de 40 anos de idade, é transexual. Já foi uma drag-queen e desfilou como destaque em parada-gay.

Luxúria é o primeiro caso de transexual,-- não enrustido --- da história dos Parlamentos europeus.

No registro civil, Luxúria consta como Vladimir Guadagno. Como parlamentar, o seu nome regimental seguiu o artístico, ou seja, Vladimir Luxúria.

Luxúria é inteligente, bem preparada e parlamentar responsável.

Numa entrevista, Luxúria disse que sempre usa banheiros de mulheres, por se sentir como tal.

Como solução para o problema do banheiro, alguns deputados da direita entenderam ser caso de se construir um privativo para gays. No caso, um banheiro só para Luxúria.

Sobre essa proposta, foram os deputados alertados que poderiam estar a arrumar uma grande confusão. Isto porque a sociedade civil poderia exigir, por lei, um terceiro banheiro privativo nas repartições púbicas, campos de futebol, restaurantes, cinemas, etc.

Para os parlamentares educados para a igualdade, para o respeito às diferenças e contra as discriminações, a melhor solução seria acabar com a distinção entre banheiros de mulheres e de homens. Ou seja, um banheiro para todos, como nos aviões.

Uma comissão de parlamentares juristas apresentou uma importante solução, à luz da Constituição, para o dissenso entre Luxúria e Gardini:
“As escolhas relativas à própria identidade sexual pertencem à esfera pessoal de cada um e como tal devem ser respeitadas”.

Pano rápido. A deputada Gardini tem duas saídas: ou volta apertada para casa ou, sem trocadilho, vai encontrar a Luxúria no banheiro das mulheres.

................
http://radioclick.globo.com/cbn/ acesse e ouça o comentário do presidente do Instituto Brasileiro Giovanni Falcone.

FOTOS de Luxúria.











Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet