São Paulo,  
Busca:   

 

 

Espiões/D.Humanos

 

RACISMO no Futebol: Zoro pára a partida. Ronaldinho gaúcho se solidariza

Por Wálter Fanganiello Maierovitch

OLHO .

Federação reage às manifestações de intolerância. Zoro ameaçou deixar a partida entre Messina e Inter de Milão, em face do coro racista de uma minoria de torcedores, quando pegava na bola.
Abaixo, confira as medidas contra a intolerância. baixadas na Itália, já que a campanha anterior, "Faça um Gol contra o Racismo", não deu certo.
Ao receber a Bola de Ouro, o brasileiro Ronaldinho declarou se solidarizar com Zoro na luta contra o racismo
-La decisione della Figc dopo i cori dei tifosi interisti contro il difensore ivoriano del Messina. Su tutti i campi, dalla serie A alla Lega dilettanti. E uno striscione a centrocampo (Corriere della Sera)

Zoro e o brasileiro Adriano.


MATÉRIA

Zoro joga futebol no Messina, que disputa a primeira divisão do Campeonato Italiano.

No domingo (27/11/2005) durante o segundo tempo do jogo Messina x Inter e com dois gols de vantagem para o time de Milão, uma parte da torcida começou um "coro" racista contra Zoro, um negro nascido na Costa do Marfim.

Como os insultos e a intolerância racista não cessavam, Zoro colocou a bola debaixo do braço e dirigiu-se para o banco de reservas, num ato de que estaria disposto a abandonar a partida, diante das manifestações racistas.

A partida foi suspensa e outros jogadores, incluído o brasileiro Adriano da Inter de Milão, convenceram Zoro a voltar ao campo, enquanto os racistas silenciavam.

Em face do ocorrido, a Federação italiana determinou, nesta segunda feira (28 de novembro de 2005), o atarso em 5 minutos para o início de todas as partidas de futebol, incluídas as jogadas na Liga Nacional Diletantista.

Nos 5 minutos estabelecidos, os jogadores ficarão no centro do campo, em protesto contra manifestações de intolerância. Uma faixa contra o racista e a intolerância será exibida.

. O responsável pela Inter de Milão, Massimo Moretti, solidarizou-se com Zoro. Vários dirigentes de futebol ficaram indignados com a repetição, na Itália, de outra manifestação de racismo.

Em Roma e no início da "Coppa Italia", a torcida da Lazio começou a vaiar e ofender os jogadores negros da Lazio quando pegavam na bola. Diante disso, elaborou-se uma campanha contra o racismo, cuja frase era "Faça um gol contra o racismo". À época, Zoro participou ativamente da campanha.

Como se percebe, a campanha não deu certo. O racismo continua e a nova medida, 5 minutos de atraso nas partidas e exibição de faixas educativas, poderão inibir, por algum tempo, os intolerantes.


Assuntos Relacionados
© 2004 IBGF - Todos os direitos reservados - Produzido por Ghost Planet